As novas datas da Volta a Espanha hoje anunciadas pela UCI, de 20 de outubro a 08 de novembro, deixaram o diretor da prova “satisfeito”, mesmo sendo as mais tardias da sua história.

© ASO/Pauline BALLET

“Temos de tentar fazer da necessidade uma virtude e aproveitar as oportunidades oferecidas por este novo paradigma. Temos uma ótima posição no calendário e esperamos poder contar com uma participação excecional”, comentou Javier Guillén, sobre a alteração ditada pela covid-19.

O evento de 18 etapas estava previsto para decorrer de 14 de agosto a 6 de setembro, contudo, devido à pandemia foi alterada, como todo o calendário internacional, disputando-se cinco dias em simultâneo com a Volta a Itália, que se realiza entre 03 a 25 de outubro.

A Vuelta, que vai acontecer um mês depois do Tour, agendado entre 29 de agosto e 20 de setembro, e três semanas após os Mundiais de estrada (20 a 27 de setembro, em Aigle-Martigny, Suíça), começará no País Basco e terminará em Madrid.

Na versão inicial, a 75.ª edição da competição, que se realizou pela primeira vez em 1935, principiaria nos Países Baixos.

No percurso da prova espanhola mantêm-se as duas etapas em Portugal, a 18.ª, entre Mos (Galiza) e Porto/Matosinhos, de 178 quilómetros, e a 19.ª, com início em Viseu e final em Ciudad Rodrigo, com 177,7 quilómetros.

Até hoje, a edição de 2001 tinha o recorde de ser a mais tardia, decorrendo de 08 a 30 de setembro.