Richie Porte da Trek-Segafredo aumentou hoje o seu registo de vitórias no Tour Down Under, ao triunfar na terceira etapa da prova, que agora lidera.

Richie Porte sobe à liderança do Tour Down Under ao vencer a terceira etapa
© AuldPhoto

“A equipa foi fantástica, em primeiro lugar”, disse Richie Porte momentos depois de cruzar a linha de chegada, no topo da subida Paracombe Road, no final da 3ª etapa Subaru, do Santos Tour Down Under, Porte conquistou uma bela vitória na etapa, a sua oitava na história da corrida australiana WorldTour e apenas a sua segunda para além de Old Willunga Hill, Porte também venceu em Paracombe, em 2017.

“Preciso tirar o meu chapéu para estes homens primeiro”, continuou Richie Porte. “Eles depositaram toda a sua fé em mim hoje. Fizeram um trabalho muito bom a controlar a corrida. Eu senti-me bem no inicio da subida e consegui alguma vantagem. O meu companheiro de equipa, Juan Lopez fez um bom trabalho e foi uma pena que estivesse este vento de frente no final; [sem ele] acho que poderíamos ter causado mais estragos. ”

Richie Porte sobe à liderança do Tour Down Under ao vencer a terceira etapa
Photo by Tim de Waele/Getty Images

Ainda assim, Richie Porte fez o suficiente não apenas para vencer a etapa, mas também levou a camisola Ocre, de líder do Tour Down Under.

Era espectável que a liderança da corrida mudasse e embora Caleb Ewan tenha alcançado o inicio da subida com o grupo da frente, ele perdeu logo o contato quando a subida ficou mais dura. O vencedor da etapa 2 Novatech, terminou a etapa 3 Subaru em 61º lugar e agora ocupa o 55º lugar, a 2’19 “.

Com um bónus de tempo pela conquista da vitória, cruzando a meta com uma vantagem de cinco segundos sobre um grupo de oito ciclistas, que lutaram juntos para limitar perdas para o experiente trepador, que atacou no inicio da subida final, Porte lidera agora a 22ª Tour Down Under com seis segundos de vantagem.

Richie Porte sobe à liderança do Tour Down Under ao vencer a terceira etapa
© AuldPhoto

Foi uma exibição impressionante, mas o ciclista natural da Tasmânia ainda não pode reclamar a vitória geral na corrida. Ele sabe muito bem o impacto que podem ter os bónus de tempo e também sabe o quanto o bicampeão, Daryl Impey é bom a sprintar para ir buscar estes preciosos segundos de bónus.

A Paracombe Road foi usada como plataforma de lançamento para a vitória geral em 2015, quando uma seleção de trepadores se marcaram de perto durante esta curta, mas ingreme, subida, com gradiente médio de 9,3% e com uma seção a chegar aos 20%.

Em 2015, o jogo de tático saiu pela culatra; Porte, Cadel Evans, Tom Dumoulin e Domenico Pozzovivo estavam tão preocupados uns com os outros que não tiveram resposta, quando a estrela local, Rohan Dennis atacou conquistando uma vitória notável.

Richie Porte sobe à liderança do Tour Down Under ao vencer a terceira etapa
© AuldPhoto

A cena repetiu-se na mente de Porte hoje, quando tomou a iniciativa mais cedo. ‘Para o inferno com o vento contra”, parecia dizer: “Eu vou!” E foi, conquistando uma vantagem considerável que lhe permitiu vencer a etapa e uma vantagem de seis segundos sobre Impey. O segundo classificado na etapa, Rob Power (Team Sunweb) sobe agora para o terceiro lugar na geral, nove segundos atrás de Porte.

“Eu pensei em 2015 quando eu e o Cadel Evans olhávamos um para o outro e Rohan veio de trás e nos deu-nos uma palmadinha na costas, ganhou a etapa e venceu o Tour. Então, ganhar aqui este ano é realmente muito bom”, disse Porte antes das cerimónias do pódio para vestir a sua primeira camisola Ocre de líder do Santos de 2020.

Photo by Tim de Waele/Getty Images

“Daryl ainda é o homem a bater, ainda há muitos segundos de bónus na estrada”, disse Porte ciente da capacidade do sul-africano de sofrer para minimizar perdas na subida final para Old Willunga Hill.

Ele já pensa no que está para vir domingo, mas também quer aproveitar o seu momento de glória no topo da subida, também conhecida como “Torrens Hills”.

“Conseguir outra vitória é uma grande sensação, então vou saborea-la”, concluiu Porte.

No primeiro Ziptrak Sprint (a 77 km), o trio da frente absorveu todos os pontos e bónus de tempo: 1. Scotson 5pts / 3 ”; 2. Boivin 3pts / 2 ”; 3. Bouchard 2pts / 1 ”. Embora os ciclistas tenham chegado ao topo da subida usada como meta quatro vezes, os pontos para a liderança da montanha, Subaru King of the Mountain Jersey, foram atribuidos apenas na subida final, classificados como sendo de primeira categoria, pontiuando assim os seis primeiros no final: 16 pontos, 12 pontos, 8 pontos, 6 pontos, 4 pontos e 2 pontos.

© AuldPhoto

Embora houvesse mais pontos em disputa, Joey Rosskopf (CCC Team) firmemente construiu uma sólida vantagem na obtenção de pontos e mantém a sua liderança na classificação dos trepadores.

Na frente durante a corrida, a aliança australiana / Canadiana / francesa foi forte e os três líderes partilharam bem o trabalho, interrompendo apenas sua cooperação para ganhar pontos. No segundo Ziptrak Sprint (95 km), a ordem foi: 1. Boivin; 2. Bouchard; 3. Scotson. Apesar dos seus esforços, o pelotão constantemente diminuiu a sua vantagem e a 3,0 km da meta, o trio tinha apenas 35 segundos de vantagem.

Na sexta-feira cumpre-se a quarta etapa da prova australiana, que levará o pelotão entre Norwood e Murray Bridge, no total de 153 quilómetros.

Deixar uma resposta