A cinco vezes vencedora une-se à campeã olímpica Annika Langvad já é, estatisticamente, a atleta profissional de maior sucesso na história do Absa Cape Epic.

Team 31: Outride Cape Epic
Photo by Greg Beadle/Cape Epic

Atualmente, ela divide o primeiro lugar na lista de vitórias de todos os tempos com Karl Platt e Christoph Sauser, que fizeram 13 e 10 partidas respectivamente para alcançar as cinco vitórias. Langvad, no entanto, está acima deles e pode-se afastar, ao iniciar o Absa Cape Epic 2020 com Jenny Rissveds.

Com todo o respeito devido a Platt e Sauser, que irão também participar em 2020, é improvável que aumentem os seus títulos. Afinal, o tempo não espera ninguém, e agora as duas lendas estão na casa dos quarenta. Parece improvável que Langvad não a adicione à sua lista de vitórias. Especialmente porque ela é parceira de uma campeã olímpica. A sua participação na Corrida-Que-Mede-Tudo não era no entanto uma garantia.

Team 31: Outride Cape Epic
Photo by Dominic Barnardt/Cape Epic/SPORTZPICS

“Quando me sentei e olhei para o calendário de 2020, não tinha certeza de ir correr no Absa Cape Epic”, confessou Langvad. “Então, eu pensei: o quê, ou quem, me poderia motivar a correr de novo? A Cape Epic deste ano é sobre minha aventura juntamente com a Jenny. Trata-se de moldá-la à nossa maneira. Sinto que temos uma conexão muito boa e nos entendemos de parte a parte a vários níveis. Esta é a minha motivação para este ano!”

A dinamarquesa corre para a equipa Specialized Racing XCO, a equipa de fabrica americana. Enquanto isso, a sueca compete na sua própria Team 31, em bicicletas Specialized, para aumentar a consciencialização sobre o Artigo 31 das Nações Unidas. “Eu sempre gostei da abordagem de Jenny em ser atleta. Sim, usamos a mesma bicicleta, mas na verdade é apenas isso: uma escolha pessoal “, explicou Langvad. “Bem, obviamente há uma conexão com a Specialized, mas era a única ligação entre mim e a Annika. Nós simplesmente queríamos fazer isto juntas”, concordou Rissveds.

Team 31: Outride Cape Epic
Absa Cape Epic 2017 Stage 4

Uma grande parte das cinco vitórias anteriores de Langvad foi a associação com a instituição de caridade sedeada em Kayamandi, songo.info. Ela correu para amealhar fundos para a instituição de caridade educacional e de ciclismo, situada num município nos arredores da meca do ciclismo de montanha de Stellenbosch, em duas dos seus cinco Cape Epic até à data.

Após essas corridas, a sua bicicleta vencedora foi leiloada para juntar fundos para a organização. A songo.info ecoa a paixão de Rissveds pelo Artigo 31, que “cria um direito específico para todas as crianças terem descanso e lazer, participarem de atividades lúdicas e recreativas adequadas à sua idade e participarem livremente na vida cultural e das artes”. Langvad e Rissveds competirão no Absa Cape Epic 2020 como Team 31: Outride.

O Outride, um programa norte-americano, decidiu provar que o ciclismo traz benefícios para o cérebro. Por meio de pesquisas, programas de ciclismo nas escolas e atividades de doação, a Outride fornece intervenções ciclisticas baseadas em estudos para melhorar a saúde social, emocional e cognitiva.

Photo by Sam Clark/Cape Epic

Parece que já não serão apenas as crianças de todo o mundo que serão incentivadas a brincar e divertirem em 2020. Langvad, que tendia a ser firme e séria no Absa Cape Epic, parece ansiosa por adotar uma abordagem mais alegre na corrida deste ano. “O Cape Epic pode ser uma boa abertura para o resto da época, mas também te pode atrapalhar.

Photo by Dominic Barnardt/Cape Epic/SPORTZPICS

O aspecto psicológico, em particular, não deve ser subestimado”, destacou a campeã mundial de cross-country de 2016. “Ter a equipa e as configurações certas para nos deixar confortável é fundamental e eu já estou a prosperar na organização deste ano. A Jenny e eu estamos a tentar definir a experiência à nossa maneira especial. E é isso que me motiva”.

Photo by Ewald Sadie/Cape Epic/SPORTZPICS

Para a atual campeã olímpica, o dia 28 de julho de 2020 parece distante. É nesse momento que ela, Langvad e as restantes atletas femininas de topo das corridas de cross-country, do mundo, se alinham para lutar por uma medalha de ouro em Tóquio. “Eu discuti intensamente, com os meus treinadores e com o restante da equipa, como o Absa Cape Epic se encaixaria na minha agenda durante um ano olímpico”, disse a campeã sueca de cross-country. “A maneira como a planeámos, acreditamos que pode ser uma parte muito boa do calendário total. Na verdade, não estou a mudar nada.”

A mudança para Langvad, no entanto, parece-lhe tão bem como um feriado. Rissveds é a sua quarta parceira no Cape Epic. Todas elas saíram de Val de Vie, após oito dias de corrida, com a derradeira jersey laranja feminina. Cada uma delas viu o seu nome ser gravado no icónico troféu de Isabel Mertz ao lado de Annika Langvad.

Photo by Xavier Briel/Cape Epic

É difícil apostar contra Jenny Rissveds seguindo esTa tendência. Não que Langvad esteja muito perturbada. Ela não conta vitórias. “Se eu corresse apenas pelos recordes, já estaria esgotada há muito tempo”, concluiu, no entanto, as vitórias continuam a aparecer.

Deixar uma resposta