Depois de uma temporada bem-sucedida, ao ganhar o meu décimo título nacional de downhill e o Transmadeira. Vim para a Madeira para relaxar e aventurar-me… Emanuel Pombo.

Sem me preocupar com competir, agendar ou ganhar! Basta pedalar, comer, explorar e diverter-me, antes de estabelecer novos objetivos para a próxima temporada!

Bem no centro do Atlântico, as ilhas da Madeira e de Porto Santo são um paraíso de beleza natural. As cores exóticas das flores destacam-se entre o mar azul e a vegetação verde-esmeralda. Este é um arquipélago onde dois terços são uma área protegida e onde se encontra a maior floresta Laurissilva do mundo.

© TwentyFourMedia

A ilha da Madeira vive do turismo, uma indústria altamente importante que é uma das principais fontes de economia. O número de turistas que visitam esta pérola do Atlântico aumenta de ano para ano e com isso, trouxe oportunidades de negócio para pessoas em torno do ciclismo, criando empresas de BTT, explorando todos os trilhos e mostrando um turismo diferente, jovem e ativo pelo qual a Madeira não era conhecida de todo, mas tinha tudo o que precisava ser um sucesso. Hoje em dia tudo é diferente e o “boom” do turismo e das corridas de BTT cresce a cada ano.

© TwentyFourMedia

Os Madeirenses são acolhedores e hospitaleiros, o que reflecte a natureza descontraída e generosa dos portugueses.

Eu nasci na Ponta do Pargo, no concelho da Calheta, que fica na ponta mais ocidental da ilha. Para mim, é onde estão os trilhos mais divertidos e rápidos. Nos últimos anos, muitas filmagens e projetos com pilotos internacionais foram ali feitos. Na Madeira temos um bom pôr do sol, mas na Ponta do Pargo o sol põe-se em frente ao famoso farol com alguns dos melhores e incríveis pores do sol do mundo.

© TwentyFourMedia

O Oceano Atlântico está sempre no fundo de quase todas os trilhos. E quase todas os trilhos terminam num penhasco com uma vista incrível, onde você pode apreciar o pôr do sol!

© TwentyFourMedia

A época baixa é sempre mais descontraída e posso desfrutar mais com todas as pessoas que estão sempre a torcer por mim nas corridas. Foi bom ver alguns adeptos no Porto Santo, conversar um pouco e incentivá-los também a seguirem os seus sonhos!

Devido a todos estes factos, não foi uma surpresa para mim quando a Madeira ganhou pela quinta vez como o melhor destino insular da Europa pela World Travels Awards em 2018.

© TwentyFourMedia

O Farmers ‘Market ou em português “Mercado dos Lavradores” é onde você verá incríveis peixes frescos e algumas frutas exóticas. Aqui você encontrará uma festa de cores, sons, cheiros e pessoas.

© TwentyFourMedia

A comida é realmente boa! A única desvantagem é que me deixa um pouco mais gordo porque eu como demais! LOL! Gosto de saborear o bolo do caco, as lapas grelhadas e algumas espetadas, mas cuidado com a famosa bebida Poncha! É gostosa mas forte!

Pedalar é uma das coisas mais espetaculares, inacreditáveis ​​e desafiadoras que você pode fazer. Há uma grande rede de trilhos que você só encontrará com um guia local, com o terreno mudando de rochas a raízes e solo argiloso. Está à disposição uma enorme variedade de caminhos e é comum encontrar lama e pó no mesmo dia, muitas vezes na mesma descida.

© TwentyFourMedia

Apenas tenha cuidado com o “Cerro” no inverno. É um tipo de terreno da Madeira que nomeámos para os turistas como “gelo negro”. Não há aderência, especialmente quando está brilhante. Quando você o vir, apenas não vire ou trave! Siga em frente e vire só em bermas ou na lateral do trilho e você ficará bem.

Apanhámos o barco “Lobo Marinho” para o Porto Santo para lá passar 2 dias. São 2 horas de viagem e você estará numa ilha completamente diferente.

© TwentyFourMedia

A ilha é conhecida pela sua grande praia de areia amarela, que se estende por cerca de 9 km, percorrendo toda a costa sul da ilha, entre o porto e a Calheta. A pilotagem aqui é mais natural, mas com muito potencial. Especialmente se você está a pensar explorar e ter um bom tempo por conta própria! É muito calmo e pacífico.

Na véspera da partida, tive a brilhante ideia de acordar às 5h45 para ver o nascer do sol numa das grutas do Pico de Ana Ferreira. O João do TwentyFourMedia não estava muito contente com isso, mas assim que o sol se começou a mostrar, tudo valeu a pena. Um nascer do sol incrível para os registos!

© TwentyFourMedia

“Vista da caverna observando o nascer do sol”. “Para alguns, é um paraíso, mas para mim, este é o lar!” Emanuel Pombo

Deixar uma resposta