Algo que não é novidade no mundo do ciclismo, mas que ultimamente tem ressurgido, são os pratos pedaleiros ovais.

A absoluteBLACK fez chegar ao BTT Lobo dois tipos destes pratos, um para BTT 104 BCD de 32 dentes e outros dois para estrada 110/5 BCD de 34 e 50 dentes, que segundo a absoluteBLACK, trazem várias vantagens, tais como:

  • Um design melhorado para oferecer uma excelente relação peso/resistência.
  • Melhoria na tração e na capacidade de subir.
  • Óptima durabilidade.
  • Libertação melhorada de lama, por forma a reduzir o desgaste e o ruido no caso do BTT.
  • Redução do stress nos joelhos.
  • Mais velocidade.
  • Reduz a possibilidade da ocorrência da cãibras.
  • Reduz a mudança entre pratos 34 e 50 em cerca de 15% no caso da estrada.
  • Seis pontos de mudança de velocidade (para aumentar ou reduzir), para uma melhor resposta, também no caso da estrada.
  • Maior rigidez.

O prato absoluteBlack 104 BCD de 32 dentes, para BTT, possui espaçadores integrados de 2mm e são roscados com M8x0.75, para acomodar este tipo de aranhas de 4 braços, podendo haver no entanto a necessidade de adquirir um conjunto de parafusos, que também pode ser adquirido através no site da absoluteBLACK.

Tendo todo o material em mãos, a montagem é muito fácil. Basta alinhar uma pequena saliência que existe no interior do prato, com a parte traseira do crank do pedaleiro. Depois é só apertar os parafusos e seguir para o mato!

Este tipo de prato permite-nos manter uma cadência ligeiramente mais baixa e firme, oferecendo uma força de pedalada mais consistente que ajuda a manter o ritmo nas subidas e a manter a tração.

A rolar, também ficámos com a sensação duma pedalada mais equilibrada, uma vez que a zona de maior diâmetro do prato se localiza onde no ponto onde o ciclista consegue exercer mais força no crank, embora este ponto não seja precisamente o mesmo para todos os ciclistas.

Resumindo, ficámos com a sensação de que de facto subimos e rolamos mais rápido, uma vez que embora seja um prato com 32 dentes, o diâmetro da zona onde exercemos força, se assemelha ao diâmetro de um prato redondo de 34 dentes, ou seja, notámos também um pouco mais de esforço em subidas muito inclinadas.

No que toca aos pratos de estrada absoluteBlack 110/5 BCD de 34 e 50 dentes, a absoluteBLACK indica-os como os pratos ovais mais fáceis de trocar do mercado e não se pode dizer que estejam a mentir.

Tal como no prato de BTT, existe um vídeo a explicar a sua montagem na página de internet do respectivo prato, e é de fato muito fácil, necessitando apenas de uma ligeira afinação no desviador após a sua montagem.

Em relação à utilização dos pratos de estrada, ficámos com a mesma opinião que em relação ao prato oval de 32 dentes para BTT, a velocidade a subir ou rolar aumenta, mas com mais algum esforço quando as subidas se tornam mais ingremes.

Quanto a pesos, a balança acusou 38g para o prato de BTT 104 BCD de 32 dentes, 29g para o de estrada 110/5 BCD de 34 dentes e 124g para o de 50 dentes.

Chamamos a atenção que todas estas opiniões são pessoais, baseadas nas sensações do ciclista que usou os pratos, uma vez que não dispomos que dados que sejam de facto passiveis de medição, além do tempo despendido a efectuar determinados trajectos e a sua percepção de esforço.

Resumindo, os pratos pedaleiros ovais da absoluteBLACK deram de facto uma sensação de melhoria à prestação do ciclista, mesmo apesar de um maior esforço em subidas mais ingremes, possibilitando no entanto uma redução da cadência, para a mesma velocidade.

O seu preço é acessível comparado com outras marcas, não deixando de ser no entanto um upgrade que não está ao alcance de todos os bolsos, principalmente nos pratos de estrada.

O prato de BTT acaba por ser leve, comparativamente com outros da sua gama, embora o mesmo já não se possa dizer também dos pratos de estrada.

Além de tudo isto, temos a possibilidade de personalizar a nossa transmissão optando por escolher uma das várias cores disponíveis.

Mais informações em absoluteblack.cc, distribuidor para Portugal Castanheira & Castanheira – castanheiraecastanheira.pt.

Deixar uma resposta