Uma das grandes promessas do ciclismo mundial, o colombiano Egan Bernal (INEOS) confirmou hoje, com apenas 22 anos, todo o seu potencial, ao chegar de amarelo aos Campos Elísios, no final da 106.ª Volta a França.

Photo Luca Bettini/BettiniPhoto©2019

Nascido em Bogotá, em 13 de janeiro de 1997, Bernal é considerado um dos ciclistas com maior potencial e provou-o, tornando-se apenas o quinto a juntar a Volta a França do futuro e o Tour e o primeiro em quase 30 anos, sucedendo ao espanhol Miguel Induraín, que conquistou a principal volta em cinco ocasiões (de 1991 a 1995).

Aos 22 anos e seis meses, Bernal, o primeiro colombiano a vencer a prova rainha do ciclismo mundial tornou-se também o terceiro mais jovem a conquistar a ‘Grande Boucle’ depois do francês Maurice Garin, em 1904, e do luxemburguês François Faber, em 1909.

Photo Luca Bettini/BettiniPhoto©2019

Bernal mostrou-se ao mundo na Volta a França de 2018, a estreia em grandes competições velocipédicas, na qual terminou na 15.ª posição, depois de um trabalho incansável em prol de Chris Froome e de Geraint Thomas, que viria a vencer a prova.

O grande teste como possível líder de equipa deveria ter surgido na Volta a Itália, mas uma queda afastou-o da prova, chegando ao Tour como plano B, em especial depois de Geraint Thomas ter caído na Volta à Suíça.

Essa queda do galês e o excelente ano de 2019 de Bernal – vitórias no Paris-Nice e na Volta a Suíça – acabavam por colocar o colombiano quase em plano de igualdade com o colega de equipa e dorsal número um.

Tour de France 2019 – 28/07/2019 – Etape 21 – Rambouillet / Paris – Champs-Elysees (128 km)

Depois de parecer ter ficado afastado da luta pela vitória final, um ataque no Galibier, na 18.ª etapa permitiu-lhe reduzir a diferença para o francês Julian Alaphilippe, acabando mesmo por ‘roubar-lhe’ a amarela na 19.ª e segurá-la com firmeza na 20.ª, antes da consagração de hoje, em Paris.

O corredor de Bogotá alcançou o objetivo que o compatriota Nairo Quintana tem vindo a adiar – foi segundo em 2013 e 2015 e terceiro e 2016 – e a sua qualidade fica bem comprovada no contrato de longa duração com a INEOS, pouco comum no ciclismo, válido até 2023.

A carreira profissional começou muito cedo, na Androni, na qual passou dois anos, triunfando no último, em 2017, na Volta a Sibiu, na Roménia, além da Volta a França do futuro, o que despertou o interesse da todo-poderosa Sky.

Tour de France 2019 – 28/07/2019 – Etape 21 – Rambouillet / Paris – Champs-Elysees (128 km)

No primeiro ano na equipa britânica, agora INEOS, mostrou a sua qualidade e venceu a Colômbia Oro e Paz, à frente dos já consagrados colombianos Nairo Quintana e Rigoberto Urán, e a Volta à Califórnia.

Ainda como júnior, Bernal começou por fazer provas de cross-country, conseguindo mesmo uma medalha de prata nos Mundiais da categoria em 2014 e de bronze no ano seguinte.

Deixar uma resposta