Amanhã, às 12:00 horas, será dado o tiro de partida para a sétima edição do The Goods Non Stop Madrid-Lisboa pela MRW, no centro desportivo Dehesa de Navalcarbón, na cidade de Las Rozas, em Madrid.

O Non-Stop Madrid-Lisboa cresce a cada ano, desde que nasceu em 2013. Nesta edição, as inscrições esgotaram com dois meses de antecedência.

Com 900 ciclistas inscritos (322 equipas), é o número mais alto da história da prova. É um desafio exigente em MTB, para equipas – de um, dois, três e quatro concorrentes – 770 quilómetros, sem paragens e mais de 10.000 metros de desnível acumulado de subida, com um limite de 55 horas para terminar.

A grande aventura da Península Ibérica em mountain bike, que termina em Alenquer (Lisboa), possui nove estações de hidratação: Robledo de Chavela, Burgohondo, Navalperal de Tormes, Navaconcejo, Cañaveral, Alcántara, Cedillo, Ponte de Sor e Coruche, estes são pontos-chave onde são feitas as substituições dos ciclistas.

Desta forma, a prova irá percorrer os trilhos da Comunidade Autónoma de Madrid e das províncias de Ávila e Cáceres antes de entrar em território português, até à meta em Alenquer, no distrito de Lisboa.

Entre os 900 ciclistas, encontramos inúmeras histórias e a seguir descrevem-se as mais importantes:

Agna Egea, Miguel López, Luis Fernando Serrano e Miguel Coca sofrem de esclerose múltipla, correm na equipa Aelem sin Barreras. Eles participam para obter fundos, para pesquisas para a doença e para passar uma mensagem positiva aos recém-diagnosticados.

Guillermo Prieto, com uma perna amputada, participa pela quarta vez e novamente na categoria SOLO. Treina quase todos os dias e acumula 40.000 quilómetros por ano.

Jesus Noriega. Sem a mão direita desde que nasceu, sempre gostou de enfrentar desafios, como chegar ao Pólo Sul ou atravessar o mar Báltico congelado, com skis e até mergulhar. Triatleta e ciclista, não leva nenhum adaptador no guiador para se apoiar.

Xavier Caballol. Amputado da perna direita, em maio passado, no Garmin Titan Desert terminou em 338º lugar. E continua com fome de aventuras.

Por outro lado, chamam a atenção os 24 participantes da categoria SOLO, com a presença de uma única mulher, Anna Tullols, que tentará tornar-se na terceira mulher a atingir a meta dentro do controlo de tempo estabelecido.

Da mesma forma, vale a pena destacar as oito equipas exclusivamente femininas de quatro atletas.

Deixar uma resposta