900 ciclistas e mais de 300 equipas, esgotaram três meses antes do fecho das inscrições, são os números de uma edição recorde da Non Stop Madrid – Lisboa.

Sergi López completa sozinho os 770 quilómetros, em 46 horas, sem dormir nem um minuto, e fá-lo pela segunda vez consecutiva.

770 quilómetros de BTT, a distância que separa Madrid de Alenquer, representam um desafio monumental, sozinho ou em equipas de 2, 3 ou 4 corredores. 55 horas para percorrer as estradas que separam as duas capitais da Península estão ao alcance de muito poucos.

Se adicionarmos a este feito condições climáticas adversas, o desafio torna-se ainda maior. A chuva, tempestade em algumas ocasiões, acompanhou a caravana desta edição da The Goods Non Stop Madrid – International Tagus – Lisbon by MRW.

A prova começou na sexta-feira às 12:00, em Las Rozas. 900 ciclistas divididos em mais de 300 equipas enfrentaram a aventura, um percurso dividido pelas estações de hidratação de Robledo de Chavela, Burgohondo, Navalperal de Tormes, Navaconcejo, Cañaveral, Alcántara, Cedillo e em Portugal, Ponte de Sor e Coruche até chegar a Alenquer.

Para além das estações estava também o ponto de entretenimento de Tornavacas e mais duas extra em Santiago de Alcántara e Ponte da Pedra, o que significava descanso para ciclistas e festa para a população que assistia à prova.

Em Alenquer, uma das novidades desta edição, estava a meta. A primeira equipa a chegar foi a Galletas Gullón, categoria Corporate e de quatro concorrentes. Completaram a prova em 36 horas e 25 minutos. “Trabalhamos duro e também tivemos muita sorte. No início, furamos várias vezes e atrasámo-nos, mas na terceira etapa conseguimos recuperar. Na sétima, mais do mesmo. Quatro furos, mas o espírito de equipa lá nos salvou e também ciclistas de outras equipas deram-nos bombas e conseguimos continuar ”, disseram-nos.

Em termos de companheirismo, o prémio vai para as equipas de Zatika e Biciclistas. O relacionamento vem da edição do ano passado, quando estes últimos ajudaram Zatika a terminar, quando não havia mais forças. Um ano depois, ambas as equipas, de três elementos, uniram-se até à meta, ajudando-se e encorajando-se uma à outra ao longo de todo o percurso. A sua cumplicidade e a chegada à meta, todos juntos de mãos dadas, serão lembrados para sempre.

Um clássico da Non Stop, Roberto Solozábal, ex-jogador do Atlético de Madrid e medalha de ouro olímpica em Barcelona’92, também não quis faltar. “Este é um evento muito especial. É importante conhecer os parceiros e não exagerar muito no começo. Mais adiante, deve-se colocar um ritmo constante e apreciar as enormes paisagens pelas quais se passa. Inúmeros veados atravessam o caminho. No próximo ano acho que vou voltar ”.

Menção especial merece Sergi López, assim como todos os que se atreveram nesta aventura sozinhos. Sergi conseguiu ser, como no ano passado, o primeiro a cruzar a linha de meta. Levou 46 horas a percorrer todo o percurso. “Sem dormir por um minuto. Vou dormir quando chegar a casa ”, disse-nos. Acompanhado por um amigo e o seu filho Marti, 15 anos, que prepararam a comida nos pontos de hidratação e foram responsáveis ​​por incentivá-lo. Ele disse com um sorriso no rosto: “Estou muito orgulhoso do meu pai. Espero poder acompanhá-lo em breve nessas aventuras.

Sergi López – Rockbikes MB Motors – cruzou a linha entre o furor e os aplausos dos participantes. O máximo respeito por ele viveu-se naqueles momentos. “Estou muito cansado, mas também muito animado. Eu não dormi ao longo das 46 horas. Pedalei sem parar e pude fazê-lo graças aos companheiros que estavam na estrada que me continuaram a incentivar a ir com eles. Eles arrastaram-me. Eu faço muitas provas durante o ano, mas nenhuma como esta. Não há palavras. Tudo isto foi graças a eles ”, disse ele.

Vídeo com os melhores momentos da 7ª edição da Non Stop Madrid – Lisboa:

A sétima The Goods Non Stop Madrid – Tajo Internacional – Lisboa pela MRW, encerra numa edição histórica. Cheia de desafios de solidariedade, aventuras compartilhadas e BTT puro.

Uma edição que será lembrada como a que bateu o recorde de inscritos e em que ciclistas, organizações e voluntários superaram a chuva constante para viver uma aventura de que se vão se lembrar para sempre.

Deixar uma resposta