O selecionador português José Poeira, disse que a equipa nacional, vai procurar um lugar nos 10 primeiros classificados da prova de fundo dos Mundiais de estrada, em Imola, Itália.

Selecionador quer ‘top 10’ nos Mundiais de Estrada para “dignificar o país”A chefiar a comitiva portuguesa está o campeão do mundo em 2013, e atual campeão nacional de fundo, Rui Costa (UAE Emirates), com o colega de equipa Ivo Oliveira também chamado, e um dos dois membros da formação que disputam o contrarrelógio individual, ao lado do ‘especialista Nelson Oliveira (Movistar).

Na estrada, o quarteto fica completo com Rúben Guerreiro (Education First), numa seleção que o selecionador José Poeira destaca como apresentando “resultados muito bons” após a retoma competitiva, num ano ‘interrompido’ pela covid-19, com quatro corredores “de qualidade”.

Selecionador quer ‘top 10’ nos Mundiais de Estrada para “dignificar o país”A covid-19 também trouxe incerteza ao plano dos Mundiais, uma vez que a corrida estava marcada para a Suíça, originalmente, surgindo várias hipóteses após a paragem ditada pela covid-19, como novos palcos do campeonato do mundo, que acabou por ‘assentar arraiais’ em Imola.

A prova de fundo apresenta um traçado de 258,2 quilómetros, na sua totalidade disputados em circuito, de 28,7 quilómetros, na cidade italiana conhecida pelo autódromo que recebeu, até 2006, o Grande Prémio de São Marino da Fórmula 1.

Nelson Oliveira já ficou entre os 10 melhores do ‘crono’ em 2014, 2017, 2018 e 2019, com Rui Costa no ‘top 10′ da corrida de fundo, além do título de 2013, em 2015, 2018 e 2019, um resultado que Poeira ambiciona que Portugal repita.

“A prova em linha será muito seletiva e tem partes com subidas de dois quilómetros e meio, e outras, de um quilómetro, de percentagem [de inclinação] elevada. Vamos ver se conseguimos estar à altura, como temos estado nos últimos anos, de fazer lugares nos 10 primeiros, é o objetivo e temo-lo conseguido”, atirou o selecionador.

Segundo José Poeira, o objetivo claro de conseguir “um resultado que dignifique o país” não impede que, dentro do ‘top 10′, se queira estar “um bocadinho mais à frente”, algo que depende, não só de “oportunidade”, como “da sorte e de se fazer por isso”.

No contrarrelógio, um traçado mais curto do que o habitual “é melhor para o Ivo”, mas “para o Nelson já não é tão bom”, uma vez que o homem da Movistar “prefere contrarrelógios que se façam mais duros” e nos quais a parte final pode fazer a diferença.

Para Ivo Oliveira, mais jovem, este Mundial é também “uma experiência”, por se estrear na elite e na especialidade numa fase em que “está a andar bem e é um contrarrelogista em crescimento”.

Os Mundiais de ciclismo de estrada arrancam quinta-feira em Imola, Itália, com o contrarrelógio individual feminino, enquanto o ‘crono’ masculino, com Ivo Oliveira e Nelson Oliveira, está marcado para sexta-feira.

Selecionador quer ‘top 10’ nos Mundiais de Estrada para “dignificar o país”No sábado, as elites femininas disputam a prova em linha, antes dos masculinos, no domingo, com Rui Costa, Rúben Guerreiro, Nelson Oliveira e Ivo Oliveira em ação por Portugal.

Selecionador quer ‘top 10’ nos Mundiais de Estrada para “dignificar o país”Programa dos Mundiais de ciclismo de estrada para elites:

  • 24 set: Contrarrelógio individual feminino, 31,7 km, 13:40 (horas de Lisboa).
  • 25 set: Contrarrelógio individual masculino, 31,7 km, 13:30 (horas de Lisboa).
  • 26 set: Prova de fundo feminina, 143 km, 11:35 (horas de Lisboa).
  • 27 set: Prova de fundo masculina, 258,2 km, 08:45 (horas de Lisboa).