Karim Amour sobe ao 2.º lugar do pódio no EWS Canadá

40

O francês Karim Amour, Master da Miranda Racing Team, terminou em 2.º lugar a sexta série do Enduro World Series (EWS), que se realizou este fim-de-semana em Whistler, no Canadá. Na categoria de Elites, José Borges concluiu a corrida em 19.º lugar e Alex Cure deslocou um ombro, não sendo possível chegar ao fim da prova.

Com este resultado, Karim Amour, que além de piloto da equipa internacional de Enduro da Miranda&Irmão é o seu mentor, assegura a liderança em Masters nesta importante competição internacional.

O CamelBak Canadian Open Enduro de Whistler, apresentado pela sexta série do EWS, mais uma vez fez jus ao seu homónimo de “Crankzilla”, levando “os pilotos a batalhar durante um dia longo e ‘monstruoso’ em termos de dificuldades”, explicou Karim Amour.

A chuva durante a noite não surtiu efeito nas condições do percurso, nem mesmo para melhor. “Mas a luta chegou através dos sulcos empoeirados, grandes buracos e pedras soltas durante cinco longas Especiais, que culminaram com a mais dura de todas, com 20 minutos de duração, que é “Top of the World, até chegar à vila de Whistler, onde terminava”, destacou o Master da Miranda Racing Team, indicando que o tempo total da corrida foi superior a 40 minutos.

“Fiz uma corrida sólida e sem problemas. Contudo, não fui rápido o suficiente para conseguir o primeiro lugar em Whistler. Mesmo tendo ficado com a 2.ª posição sei que ainda lidero o EWS 2018. Mas gostaria de ser mais rápido nas próximas duas corridas, em Espanha e depois em Itália, ambas em setembro, para fechar bem este EWS”, disse Karim Amour.

“O fim-de-semana não correu da melhor maneira”, desabafou José Borges, que ficou no Top 20 em Elites, em Whistler. “Apesar de me sentir muito bem nos treinos e fisicamente, tive novamente um problema mecânico durante toda a corrida, que me impossibilitou de lutar pelos melhores resultados. Mesmo assim consegui finalizar em 19.º nesta sexta série EWS. Não é o resultado que quero, mas pelo menos acumulo alguns pontos para o ranking final”, explicou o atleta português, que neste momento está em 18.º da Classificação Geral.

Quem continua sem sorte é o Elite Alex Cure, que volta a não concluir esta série do EWS, desta vez em virtude de uma lesão. Na Especial dois, numa zona mais crítica e agressiva, o piloto deslocou o ombro e foi obrigado a abandonar a prova.

Dias 22 e 23 de setembro a Miranda Racing Team volta à competição EWS para cumprir a sétima ronda, que regressa à Europa, para uma prova que vai realizar-se em Ainsa – Sobrarbe, Espanha.

Uma corrida de dois dias que começa uma vez mais a partir do castelo do século XII, no coração desta pequena aldeia, antes de sair para as montanhas circundantes e para os trilhos empoeirados dos contrafortes dos Pirenéus.

A Zona Zero Sobrarbe, em Espanha, trata-se de um percurso que já fez parte da história dos circuitos EWS, ao integrar uma série no ano de 2015. Por ter sido um grande êxito está de regresso, três anos depois.

Deixar uma resposta