Pelo 12º ano consecutivo, o Paris-Nice partirá de Yvelines. A localidade de St Cyr L’Ecole marcará o início desta 79ª edição, após Plaisir, há um ano atrás.

79ª edição do Paris-Nice apresentada
© A.S.O./Fabien Boukla

O pelotão do Paris-Nice enfrentará a escalada de Colmiane pela terceira vez em quatro anos. Simon Yates foi o primeiro no topo em 2018, enquanto Nairo Quintana venceu a etapa final da prova no mesmo local em 2019, sendo Maximilian Schachmann coroado como o vencedor da geral.

PUB

A Century 21 patrocinará a camisola branca, título que premiará o melhor jovem desta 79ª edição e a Antargaz também se torna parceira oficial da prova ao patrocinar o prémio de combatividade.

79ª edição do Paris-Nice apresentada
© A.S.O./Fabien Boukla

Corrida inaugurada em 1933, o Paris-Nice atingiu já há muito a maioridade, essencialmente por permanecer fiel às suas tradições, mas também por ser inovadora. A “corrida para o sol”, como é conhecida, permaneceu como a corrida por etapas de referência do início da temporada.

79ª edição do Paris-Nice apresentada
© A.S.O./Fabien Boukla

A tradição irá cumprir-se em 2021 ao longo das encostas de Maconnais e Beaujolais que será o aperitivo de uma 4ª etapa extremamente acidentada e que será certamente um dos destaques desta edição. “Precisamos de uma etapa muito disputada no início da corrida, disse o diretor da prova, François Lemarchand. Os ciclistas tendem a ter os seus hábitos e é nosso dever tentar perturbá-los um pouco.

”O pelotão subirá a Colina de Solutré, em seguida, escalará duas vezes o Mont Brouilly, que ficou famoso pela vitória de Julian Alaphilippe no contra-relógio em 2017, antes de chegar a meta numa nova e exigente subida em Chiroubles (7,3 km a 6% de inclinação média). Ao todo, os ciclistas terão de ultrapassar cerca de 3.500 metros de desnível acumulado.

Com a classificação geral já estabelecida no contrarrelógio individual de 14,5 km em terreno plano, nos arredores de Gien, no dia anterior, as posições devem ficar mais claras antes do fim de semana final em Nice, onde a corrida regressará ao seu local tradicional.

O desfiladeiro de Colmiane, no vale de Valdeblore com vista para Nice, começa a tornar-se frequente na agenda do Paris-Nice onde lembramos as vitórias de Simon Yates em 2018 e Nairo Quintana em 2020, o pelotão terá na lembrança as povoações de Vesubie, Tinee e Roya vales, duramente atingidas por tempestades e deslizamentos de terra em outubro passado. “Infelizmente, não podemos voltar ao vale Vesubie por enquanto, mas tivemos que voltar a La Colmiane para homenagear a população”, disse François Lemarchand.

79ª edição do Paris-Nice apresentada
© A.S.O./Fabien Boukla

A etapa Brignoles to Biot na sexta-feira é idêntica à etapa realizada em 2011 no mesmo percurso, com a subida do Col du Ferrier a meio, enquanto a curta e intensa chegada no interior de Nice no domingo, que os ciclistas foram forçados a evitar em 2020, seguirá a mesma rota de 2019, com Côte de Peille e Col d’Eze entre as principais subidas. Todos sabemos o quão próximos os corredores podem estar nesta etapa, exemplo disso são as vitórias de Geraint Thomas em 2016, Sergio Henao em 2017 e Marc Soler em 2018 foram obtidas com margens inferiores a quatro segundos.

O arranque da corrida será realizado pela 12ª vez no departamento de Yvelines, fora de Paris, para um Grand Depart em St Cyr l’Ecole, por onde o Tour de France passou em setembro. Tal como no ano passado – e também será o caso da segunda etapa entre Oinville-sur-Montcient e Amilly -, as condições meteorológicas e especialmente os ventos laterais podem ser prejudiciais e impedir os velocistas de ter a palavra final. Uma chegada ao sprint parece ser o final mais provável na 5ª etapa, no Vale do Rhone, entre Vienne e Bollene.

79ª edição do Paris-Nice apresentada
© A.S.O.

Etapas Paris-Nice 2021

  • Domingo, 7 de março, etapa 1: Saint-Cyr-L’École> Saint-Cyr-L’École, 166 km
  • Segunda-feira, 8 de março, etapa 2: Oinville-sur-Montcient> Amilly, 188 km
  • Terça-feira, 9 de março, etapa 3: Gien> Gien, 14,4 km (contrarrelógio individual)
  • Quarta-feira, 10 de março, etapa 4: Chalon-sur-Saône> Chiroubles, 188 km
  • Quinta-feira, 11 de março, etapa 5: Vienne> Bollène, 203 km
  • Sexta-feira, 12 de março, etapa 6: Brignoles> Biot, 202,5 ​​km
  • Sábado, 13 de março, etapa 7: Nice> Valdeblore La Colmiane, 166,5 km
  • Domingo, 14 de março, etapa 8: Nice> Nice, 110,5 km
79ª edição do Paris-Nice apresentada
© A.S.O./Fabien Boukla

23 equipas selecionadas

De acordo com as regras da Union Cycliste Internationale, as equipas UCI WorldTeams são automaticamente convidados para a corrida, são elas:

  • AG2R Critoën Team (Fra)
  • Astana – Premier Tech (Kaz)
  • Bahrain Victorious (Brn)
  • Bora – Hansgrohe (Ger)
  • Cofidis (Fra)
  • Deceuninck – Quick-Step (Bel)
  • EF Education – NIPPO (Usa)
  • Groupama – FDJ (Fra)
  • Ineos Grenadiers (Gbr)
  • Intermarché – Wanty – Gobert Matériaux (Bel)
  • Israel Start-Up Nation (Isr)
  • Jumbo – Visma (Ned)
  • Lotto Soudal (Bel)
  • Movistar Team (Esp)
  • Team BikeExchange (Aus)
  • Team DSM (Ger)
  • Team Qhubeka Assos (Rsa)
  • Trek – Segafredo (Usa)
  • UAE Team Emirates (Uae)

Para além destas, a equipa Alpecin-Fenix, líder da classificação 2020 da UCI ProTeams participará por direito no Paris-Nice 2021.

Os organizadores convidaram as seguintes equipas:

  • B&B Hotels P/B KTM (Fra)
  • Team Arkéa – Samsic (Fra)
  • Total Direct Energie (Fra)

Mais informações sobre Paris-Nice em www.paris-nice.fr.