Novo ano, significa nova aventura, esta é uma Viagem à Córsega! Xavier Marovelli vai apresentar esta na primeira pessoa.

O meu nome é Xavier Marovelli, da França, e corro para a equipe francesa Haibike. Até este ano, eu sempre participei em competições.

Mas este ano, eu decidi fazer uma grande mudança na minha carreira e fazer o que eu quero, para defrontar uma nova percepção do nosso desporto.

Eu uso a minha bicicleta elétrica há muitos anos, mas quero explorar algumas novas paisagens além da minha casa.

Quero conhecer pessoas, ciclistas ou não, conhecer novas culturas. Quero aprender e descobrir coisas novas sobre o nosso mundo. Por isso, criei esse novo projeto com meus patrocinadores.

Neste novo capítulo da minha carreira, trago comigo Bastian Huber, fotógrafo e cineasta, mas também viajante e amigo.

Em fevereiro passado, decidimos ir para a ilha da Córsega, no mar Mediterrâneo, que é a terra natal de Bastian. Quem melhor que ele e os seus amigos para me levar a descobrir os segredos da Córsega.

Estávamos no barco e descobri o programa para os próximos dias e seria épico! Primeira noite desta viagem no ferry. Acordámos em Bastia, no norte da Córsega.

Conhecemos Nicolas, o amigo de Bastian, um ciclista local e provavelmente um dos mais talentosos da ilha que conhece todos os singles locais.

É essa a hospitalidade da Córsega?

Em primeiro lugar, wow…! O chão é como um festival de pedras! O solo também está muito seco, devido a tempestades elevadas desde há muitos meses. Devido a um forte vento, não podemos chegar ao topo deste primeiro local e decidimos explorar a cidade de Bastia.

Seguimos a estrada para Moltifao, a vila de Bastian. Mas antes de irmos para casa dele, fomos a um bosque aos pés do cume mais alto da Córsega, o Monte Cinto.

Não sei para onde olhar, porque a paisagem é simplesmente incrível!

No dia seguinte, pedalámos perto de Corte, no centro, com Nicolas e encontramos Marcel, também conhecido como “o ídolo”. Ele é muito engraçado como «la magagne» na língua corsa.

Marcel é o construtor deste local e cada single oferece uma vista para as montanhas.

No final deste dia, vamos para Ile Rousse, para o pôr do sol.

No dia seguinte, mudámos um pouco os nossos planos e decidimos ir para o sul, perto de Ajaccio.

Percorremos a pista no cume da cidade que nos ofereceu uma vista sobre o golfo. E terminámos o dia com uma sessão ao pôr do sol em frente às ilhas Sanguinaires.

Todos os dias são mágicos, não esperava paisagens assim e estou muito entusiasmado com o resto da aventura.

Bastian e Nicolas decidiram criar uma verdadeira missão com a finalidade de me mostrarem uma paisagem única. Para esta missão, Marcel e Julien vêm conosco.

De manhã cedo, em Corte, tomámos o pequeno almoço todos juntos, comprámos um bom pão, queijo e figatellu (uma salsicha local). Porque a Córsega também é sinónimo de boa comida!

«Sem um bom almoço, não temos um bom dia! » – disse Marcel.

Vamos lá, quando subimos, temos uma visão de todos os cumes da Córsega, Monte Cinto, Paglia Orba …

O nosso objetivo não está muito longe, mas é hora do almoço. Depois de alguns minutos, chegámos, ao longe vejo o Arco entre as árvores. Uau! É a palavra, a vista é linda, este Arco é incrível!

O percurso para voltar a Corte é muito curto, íngreme e técnico. Às vezes precisamos empurrar a nossa bicicleta, mas eu encontrei aqui o objetivo, o meu principal objetivo do porquê usar uma bicicleta elétrica! Levar-me a ir sempre mais longe.

No último dia, pedalámos com Nicolas e alguns construtores locais nos seus próprios trilhos.

Últimas fotos, é o fim das filmagens.

Última cerveja com todos até aos últimos minutos … não sei como dizer «Merci» (Obrigado) o suficiente a Nicolas e todos os outros companheiro, isso é certo.

Eu descobri aqui uma cultura, o sentido de partilha, o seu amor pela sua ilha e por fazer amigos.

Posso agora dizer agora porque é que a Córsega é a ilha da beleza e também, que descubri uma pequena parte dos seus tesouros.