A Equipa Profissional de Ciclismo EFAPEL defrontou-se hoje com um inimigo de peso na estreia da Vuelta Ciclista a Aragón: o vento.

Em dia de arranque da segunda edição desta importante competição do calendário espanhol, a estrutura de Ovar, que trazia boas sensações e ambição para a prova, viu os seus objetivos dificultados pelo vento lateral que acompanhou a quase totalidade dos 186,2 km que ligaram Andorra a Calatayud.

PUB

A partida foi dada como previsto, 15 minutos mais cedo, antecipando as más condições atmosféricas devido ao vento. Mas a chuva também marcou presença e aumentou de intensidade, mesmo tendo abrandado nos primeiros quilómetros desta primeira etapa. O céu, completamente nublado, dava indícios de que voltaria mais tarde ou mais cedo. E assim foi.

A tirada foi animada por uma fuga inicial de quatro corredores que chegou a ter mais de 12 minutos de diferença. Com o aumento da velocidade do pelotão, provocado pelo vento, acabou por se alcançar a fuga e a partir daí, devido aos ventos laterais, o pelotão fracionou inicialmente em quatro grupos, sendo o dianteiro composto por 20 unidades.

A EFAPEL integrou o maior destes grupos e assumiu as despesas, ajudando a reduzir para 15 segundos a diferença do grupo da frente, que levava um minuto. Contudo, como não houve colaboração das outras equipas, quando faltavam apenas 5 km para a meta a diferença voltou a aumentar, chegando este grupo com 41 segundos.

“Vínhamos com ambição para esta competição, principalmente com vista à etapa de amanhã. Mas o vento tem papel preponderante e não temos equipa para este tipo de etapas com vento lateral. Não temos ciclistas roladores, na sua maioria são trepadores por excelência, e neste tipo de situação somos sempre penalizados”, explicou Américo Silva, diretor desportivo da EFAPEL. E concluiu: “Tudo o que amanhã possamos fazer já vai ser sempre difícil colmatar esta diferença de tempo, de 41 segundos. Com a agravante de que a chegada não é muito dura e alguns dos candidatos chegaram hoje na frente”.

Amanhã a competição continua por terras aragonesas, para a segunda etapa que volta a contar 186,2 km. A viagem parte às 11.40 horas locais (menos uma em Portugal) da povoação histórica de Cinco Villas, em Sádaba até Canfranc Estación (16.41 horas locais). Pelo caminho há muita montanha, com direito a passagem pelos Pirenéus, uma das regiões mais bonitas de Aragão. Será uma tirada dura e de verdadeiro “rompe pernas”, que por isso promete espetáculo.

CLASSIFICAÇÕES:

CLASSIFICAÇÃO ETAPA
1.ª ETAPA: Andorra – Calatayud, 186,2 km
1.º Justin Jules (Wallonie Bruxelles), 05h04m59s
35.º Rafael Silva (EFAPEL), a 41s
63.º Bruno Silva (EFAPEL), mt
71.º Henrique Casimiro (EFAPEL), mt
81.º Antonio Angulo (EFAPEL), mt
83.º Fabricio Ferrari (EFAPEL), mt
123.º Niki Mihaylov (EFAPEL), a 12m00s
126.º Sérgio Paulinho (EFAPEL), mt

CLASSIFICAÇÃO GERAL AMARELA
1.º Justin Jules (Wallonie Bruxelles), 05h04m49s
39.º Rafael Silva (EFAPEL), a 51s
65.º Bruno Silva (EFAPEL), mt
73.º Henrique Casimiro (EFAPEL), mt
83.º Antonio Angulo (EFAPEL), mt
85.º Fabricio Ferrari (EFAPEL), mt
124.º Niki Mihaylov (EFAPEL), a 12m10s
126.º Sérgio Paulinho (EFAPEL), mt

CLASSIFICAÇÃO ETAPA/ GERAL POR EQUIPAS
1.ª Movistar Team, 15h14m57s
16.ª EFAPEL, a 02m03s

Deixar uma resposta