TransPortugal Europcar Race 2018 – Etapa 4

87

Somos porventura incapazes de sentir o nosso próprio odor, mas francamente sensíveis ao odor alheio. O perfume é também um fortíssimo catalisador de memórias. É como “aquela música” do Verão de 1985. Estamos nós no “aqui-e-agora” e, de repente, é uma brisa no ar, alguém que passa, um cumprimento, um abraço… pumba, cai-nos em cima um piano inteiro. Há um primeiro momento de confusão, uma noção de erro, uma contradição espaço-tempo, uma revolta identitária. Quem nunca?

Poucas obras homenageiam tanto o olfato quanto “Das Parfum, die Geschichte eines Mörders”. Nele conta se a tragédia de Grenouille, o homem sem cheiro, que cria o perfume perfeito. É impossível ler “O Perfume” sem andar um tanto inebriado.

É Primavera e os velhos caminhos romanos são invadidos pelo aroma das laranjeiras. O aroma martiriza o nariz ou a alma, seduz o paladar e anima o corpo.

Esta tarde, depois da monumental descida das Penhas da Saúde, Robin Willard (CA)-322 e Pascal-André Vendittoli (CA)-702 fizeram uma pequena paragem estratégica. Na beira do caminho, os dois homens dedicaram-se à colheita de flores de esteva e giesta, alfazemas e malmequeres. Já em Castelo Branco, a poucos metros da linha final, os dois pararam subitamente, ante o espanto de quem os aguardava. Foi então que tiraram dos bolsos dois belíssimos ramos de flores e, com eles nas mãos, cruzaram finalmente a meta. As flores foram então entregues às felizardas destinatárias, num momento de rara emoção.

Mas nem só de flores se faz o amor. Mais pragmático, Gregory Gobetti (BR)-716 trouxe também a sua oferenda. Para surpresa geral, também na meta, Gregory oferece a sua mulher um belíssimo e robusto limão.

Clássicos! E, como sabemos, os clássicos são intemporais!

Outro clássico é José Lima de Almeida (PT)-756, um homem que aos 57 anos faz a TRANSPORTUGAL EUROPCAR RACE pela primeira vez. Originário de São Pedro do Sul, mas residente na zona da Caparica, José começou a pedalar a sério há cerca de dez anos e desde então tem acompanhado a prova. Pai de 3 filhos já adultos, José tem andado metido em grandes aventuras ciclísticas. Depois de ter realizado o TransAndes Challenge em 2016 e o Brasil Ride em 2017, foi a vez da TRANSPORTUGAL EUROPCAR RACE em 2018, na qual tem estado com grande brilhantismo.

Na 4ª etapa, Robin Willard (CA)-322 e David John Sudbury (CA)-701 ficaram em 57 lugar ex-aequo. Gregory Gobetti (BR)-716 ficou classificado em 70º e José Lima de Almeida (PT)-756 em 5º lugar.

A 4ª etapa da TRANSPORTUGAL EUROPCAR RACE 2018 foi, uma vez mais, vencida por Pedro Simas (PT)-296 da equipa EUROPCAR, promovendo o FUNDO IMM-LAÇO: A CAMINHO DA CURA. Em 2º, 3º e 4º lugares, respetivamente, ficaram Ricardo Carvalho (PT)-319, também da equipa EUROPCAR, Manuel Melo (PT)-667 (Pedras Biker’s Team) e Jeannie Bomford (ZA)-765 (BIOGEN). Seguiram se José Lima de Almeida (PT)-756, Monica Glover (ZA)-739, Francisco Carneiro (PT)-262, Andrej Rakow (ZA)-650, João Urbano Dias (BR)-718 e Jaco Ferreira (ZA)-703, nos 5º a 10º lugares.

O dia foi ainda marcado pelo caso de Martin Dreyer (ZA)-708. Depois de ter rasgado um pneu, a cerca de 9km do final, Martin não se deu por vencido. Revelando grande presença de espírito, Martin começou por esconder a bicicleta no trilho e pôs-se a caminho. Cruzou a meta a correr, outro clássico desta prova. Martin ficou em 35º na etapa, descendo 3 posições na classificação geral, estando agora em 10º lugar.

Na classificação geral, as primeiras dez posições são ainda ocupadas por Pedro Simas (PT)-296, Ricardo Carvalho (PT)-319, Manuel Melo (PT)-667, Jeannie Bomford (ZA)-765, João Urbano Dias (BR)-718, José Lima de Almeida (PT)-756, Monica Glover (ZA)-739, Jaco Ferreira (ZA)-703, Francisco Carneiro (PT)-262 e Martin Dreyer (ZA)-708. Jeannie e Mónica mantêm-se no grupo dos 10 primeiros atletas. Ricardo e Manuel estão separados por 6m41s e, por sua vez, José Lima de Almeida (PT)-756 está a 1m22s de João Urbano Dias (BR)-718.

A quinta etapa da TRANSPORTUGAL EUROPCAR RACE 2018, de Castelo Branco a Évora, tem 188km e 1863m de elevação. A etapa é marcada pela sua extensão e pela entrada na Região do Alentejo. Um dos pontos a destacar é a deslumbrante passagem pelas Portas do Ródão, à qual se segue um belíssimo trilho ao longo do rio. O percurso passará por Nisa, localidade do famoso queijo. O segundo posto de controlo da etapa marca também a metade do trajeto global da prova, aos 453km. Mais à frente, os atletas atravessarão Alter do Chão, e já quase no final, avistarão a Barragem de Divôr. As planícies alentejanas são caracterizadas pelos montados, longas searas e pela presença de sobreiros e flores de esteva.

Texto: Florbela Pires
Fotos: Pedro Cardoso

DEIXE UMA RESPOSTA

Escreva o seu comentário
Escreva o seu nome