Tiago Ferreira e Hans Becking a dupla número 1 da DMT Racing Team by Marconi está entre as favoritas ao título da Brasil Ride 2018, e contam com o apoio de José Dias e o brasileiro Sanderson Celso.

Rosita Belinky

A nona edição da Brasil Ride, principal ultramaratona de MTB das Américas, tem a confirmação de uma dupla inédita, de ciclistas campeões do evento, para a competição marcada para Arraial d’Ajuda, Porto Seguro e Guaratinga, no Sul da Bahia, entre 21 e 27 de outubro.

Tiago Ferreira e o holandês Hans Becking formarão a dupla número 1 da DMT Racing Team by Marconi, sendo um dos principais candidatos ao título deste ano. Terão apoio do companheiro de equipe José Dias, e do brasileiro Sanderson Celso, que formam a segunda dupla da DMT.

© Rosita Belinky

O favoritismo da nova parceria comprova-se pelos feitos de ambos, não somente na Brasil Ride, mas também em importantes competições internacionais. Enquanto Tiago Ferreira, campeão do mundo de Maratona (XCM) em 2016 e vencedor do Campeonato Europeu de XCM em 2017, tem ainda no currículo o título de 2012 da Brasil Ride, ao lado de seu compatriota Luis Leão Pinto, Hans Becking ostenta um bicampeonato, em 2014 e 2015, junto de Jiri Novak, que em 2017 ganhou a competição ao lado de Henrique Avancini, e tornou-se assim o maior vencedor de todos os tempos da elite masculina.

© Marina Magalhães

“Mais um ano na Brasil Ride e, como de costume, a expectativa é alta. Desta vez, vou com um novo parceiro, o Hans Becking. Alguém que sabe o que é ganhar a Brasil Ride, com muita experiência. Por isso, nesta edição minha expectativa é ainda maior. O Hans veio para a minha equipe, a DMT Racing, no início deste ano. Já fizemos algumas provas de dupla juntos e têm funcionado muito bem”, relata Tiago Ferreira.

© Fabio Piva

“Sou apaixonado pela Brasil Ride. A ideia é chegar na Bahia bem preparado e lutar pelo título, para fechar com tudo a temporada. Com o Tiago Ferreira sei que tenho o melhor parceiro possível. Ele é um atleta muito forte”, conta Hans Becking.

Tiago e Hans terão pela frente concorrentes a altura na Brasil Ride 2018. Além do atual campeão, Henrique Avancini, que está próximo de confirmar seu parceiro de equipe na disputa, os atuais campeões da ultramaratona sul-africana Cape Epic, Jaroslav Kulhavy (CZE), ouro em Londres 2012, e Howard Groots (EUA) farão sua estreia no evento.

“A Brasil Ride vive uma evolução natural, de uma corrida que todos os anos cresce muito. A cada temporada há novas e potentes equipes confirmadas. Em edições anteriores tivemos o Christoph Sauser (SUI), já esteve lá também o Kristian Hynek (CZE). Este ano terá uma equipe oficial da Cannondale e outra da Specialized. Então, mostra o quanto importante é a Brasil Ride no panorama das corridas internacionais”, avalia Tiago Ferreira. “Há uma grande equipe de organização que trabalha duro para que isso aconteça. Fico muito feliz por poder estar presente todos os anos”, finaliza.

Legado único no ciclismo nacional – Parceiro de Tiago e de Hans na DMT Racing Team by Marconi, José Dias disputará a Brasil Ride na equipe de apoio com Sanderson Celso, de Rio Claro (SP). Apesar de apenas 19 anos, Sanderson tem bons resultados na carreira, competiu este ano no Festival Brasil Ride, na disputa da Road Brasil Ride, onde conquistou o vice-campeonato do evento em Pardinho (SP), e no Warm Up Pro, terminou em segundo lugar, após três dias de provas em Botucatu (SP).

© Wladimir Togumi

“Colocamos o Sanderson a competir ao lado do José Dias, uma promessa do ciclismo português. É um legado exclusivo da Brasil Ride. Assim como um dia pusemos, há muitos anos, o Abraão Azevedo a correr com o campeão olímpico de 1996, o holandês Bart Brentjens, ampliando o relacionamento dos atletas brasileiros com empresários estrangeiros. O Abraão, por exemplo, tem uma importante assessoria esportiva lá em Brasília. Em Botucatu, temos duas jovens meninas que apoiamos por meio do Instituto Brasil Ride, a Luísa Silveira e a Larissa Brasa”, enaltece Mario Roma, fundador da Brasil Ride.

Assim, a Brasil Ride proporciona uma experiência única de vida para todos os atletas, com a convivência com os melhores mountain bikers do mundo durante sete dias e possibilita a troca de conhecimento, num verdadeiro intercâmbio. “Qual prova no País proporciona a um atleta do interior de São Paulo de apenas 19 anos, como é o caso do Sanderson, de poder competir na equipe de ciclistas do nível de Tiago Ferreira e do Hans Becking, fazer o apoio destes atletas, além de disputar contra atletas top 5 do mundo do cross country, como Kulhavy e Avancini? A Brasil Ride é uma grande universidade do ciclismo. Só a nossa ultramaratona proporciona isto, o que a faz ser uma prova grandiosa, que vai além da corrida de bicicleta em si”, enfatiza Mario Roma.

© Fabio Piva

“A Brasil Ride tem esse lado de interagir com os atletas, com uma relação próxima, proporcionando aos ciclistas do Brasil grandes experiências e de fato favorecendo o intercâmbio”, diz Mario Roma. “O suíço Lukas Kaufmann, naturalizado brasileiro, veio um dia para a Brasil Ride e ficou aqui no País, competindo junto com o Hugo Prado, que hoje também tem sua marca de assessoria esportiva solidificada. O Henrique Avancini disputou no ano passado com o Jiri Novak que ajudou a conquistar o seu tricampeonato.

A Viviane Favery foi campeã em 2015 e isso abriu portas para ela no estrangeiro, ou a sua companheira naquele título, a Raiza Goulão, que vai para sua terceira prova ao lado da francesa Margot Moschetti. Procuro sempre proporcionar essas interações para ajudar a elevar o nível do ciclismo nacional e têm dado muito certo”, finaliza o fundador da Brasil Ride.

Saiba mais sobre a Brasil Ride em www.brasilride.com.br.