Correr a mais difícil corrida por etapas de BTT do mundo, o Cape Epic não é apenas uma tortura para os pilotos. É também um imenso desafio logístico para as equipas de suporte.

© Jochen Haar

Dar apoio a uma equipa profissional como a SCOTT-SRAM MTB Racing envolve planeamento logístico intenso e um plano de suporte técnico 24 horas por dia.

Com dois mecânicos altamente prolíficos e uma mão-de-obra exclusiva da SRAM, a equipa espera uma semana intensa de manutenção de bicicletas 24h sobre 24h ao mais alto nível.

© Jochen Haar

“O Cape Epic é o teste mais difícil para os atletas, mas também para o material. Nós literalmente construímos bicicletas totalmente novas todas as noites.” Diz Yanick “The Mechanic” Gyger, Chefe Mecânico de N1NO Schurter.

© Jochen Haar

“Gerir o lado material das coisas é uma tarefa altamente exigente. No entanto, o maior desafio no Cape Epic é manter o nível durante toda a semana em termos de manutenção das bicicletas. Numa semana tão intensa, com condições extremas, você entra facilmente numa rotina, e é aí que os erros acontecem ”, diz Yanick “The Mechanic” Gyger, mecânico chefe da SCOTT-SRAM.

“Somos dois mecânicos e fazemos a manutenção a três bicicletas todos os dias. Dependendo das etapas e circunstâncias, trabalhamos pela noite dentro para ter todas as bicicletas 100% prontas para correr novamente.” Refere Yanick “The Mechanic” Gyger.

© Jochen Haar

“As peças que mais sofrem são pneus e suspensão. No caso de chuva mudamos todos os cabos, sistema de direção, discos e pastilhas de travão, vedantes e anéis da suspensão, movimento pedaleiro, rolamentos de todo o quadro… tudo tem que ser substituído”. Diz Kurt Gross, Mecânico da MTB SCOTT-SRAM Racing.

© Jochen Haar

“Os atletas percorrem trilhos arenosos e empoeirados todos os dias, e depois de três horas de corrida eles começam a ficar exaustos, é ai que os pneus e rodas começam a ser danificados”, diz Kurt Gross, mecânico da equipa SCOTT-SRAM.

© Jochen Haar

“As condições aqui são tão extremas, caso chova, nós trocamos por completo toda a bicicleta – todos os cabos, transmissão, discos e pastilhas de travão, anéis e vedantes da suspensão, movimento pedaleiro, rolamentos de todo o quadro… tudo precisa substituído. Nós literalmente construímos bicicletas inteiramente novas. Os atletas até trocam as pastilhas de travão durante a corrida nos piores casos de chuva”.

© Jochen Haar

Saiba mais sobre toda a equipa da SCOTT-SRAM em scott-sram.com.

Deixar uma resposta