Sam Bennett (Deceuninck-QuickStep) tanto tentou que hoje teve a merecida recompensa, chorando como ‘um menino’ com a sua primeira vitória na Volta a França, conseguida à frente dos ‘reis’ do ‘sprint’ na 10.ª etapa.

Esmagado pela emoção, e ainda incrédulo com aquilo que tinha acabado de acontecer – o jornalista que o entrevistou teve de repetir que era ele o vencedor -, o tenaz ‘sprinter’ da Deceuninck-QuickStep foi proferindo frases soltas, confessando-se em choque com aquele que será, presumivelmente, o triunfo mais desejado de um currículo que conta com 47 vitórias, incluindo três etapas na Volta a Itália e duas na Volta a Espanha.

“Ainda não tinha percebido, porque esqueci-me de atirar a bicicleta para a linha [de meta] e pensei que ele [Caleb Ewan] poderia ter-me passado. Ainda não ‘caiu a ficha’, pensei que estaria em lágrimas mas estou em choque”, começou por dizer o campeão irlandês antes de a voz fraquejar e o choro entrecortar-lhe o discurso.

“Só quero agradecer a todos os envolvidos, a toda a equipa e ao Patrick [Lefevere, o patrão da Deceuninck-QuickStep] por me dar esta oportunidade, a todos os que me ajudaram a chegar aqui. Quero agradecer à minha mulher e a todos à minha volta. Sonhamos com isto e nunca pensamos que vai acontecer. Acontece e aconteceu”, prosseguiu, enquanto pedia desculpa ao entrevistador pelas lágrimas, dizendo que não queria ser “um bebé chorão”.

A vitória de Sam Bennett é ainda mais especial, porque para conquistá-la o irlandês teve de derrotar dois ‘senhores’ do ‘sprint’ do pelotão, o australiano Caleb Ewan (Lotto Soudal) e o eslovaco Peter Sagan (Bora-hansgrohe), respetivamente segundo e terceiro na meta, e ainda porque o triunfo significou o regresso à camisola verde, por troca com Sagan.

O momento feliz do ‘sprinter’ da formação belga, à qual chegou apenas esta temporada, foi antecedido de uma etapa nervosa. Logo nas primeiras pedaladas da ligação de 168,5 quilómetros Île d’Oléron e Île de Ré, metade do contingente suíço na 107.ª edição lançou-se para a fuga: Stefan Küng (Groupama-FDJ) e Michael Schär (CCC) colaboraram bem, chegaram a dispor de quase dois minutos de vantagem, mas viram a sua aventura anulada pela parceria belga entre Lotto-Soudal e Deceuninck-QuickStep, a pouco menos de 100 quilómetros para a meta.

Com a ameaça de vento lateral, a inquietação no pelotão foi crescendo ao longo da jornada, com pequenas quedas a sucederem-se até que, a cerca de 64 quilómetros da meta, uma divisória na estrada atirou ao chão o francês Guillaume Martin (Cofidis), terceiro da geral, e o esloveno Tadej Pogacar (UAE Emirates), sétimo, com o primeiro a ser obrigado a trocar de bicicleta e o segundo a esperar bastante tempo pela assistência técnica.

Na aproximação à meta, a tensão atingiu o pico na travessia da ponte de Île de Ré, com Miguel Ángel López a ficar momentaneamente atrasado, mas a recuperar para cortar a meta no pelotão, com as mesmas 03:35.22 horas do vencedor e do camisola amarela Primoz Roglic.

O esloveno da Jumbo-Visma manteve as diferenças para os perseguidores, tendo o colombiano Egan Bernal (INEOS) a 21 segundos e Guillaume Martin a 28, numa classificação geral individual em que o português Nelson Oliveira é 61.º a mais de uma hora do primeiro, depois de hoje ter chegado integrado no pelotão.

Classificação da 10.ª etapa:

1. Sam Bennett, Irl (Deceuninck-QuickStep), 03:35.22 horas – (média: 46,943 km/h).
2. Caleb Ewan, Aus (Lotto Soudal), m.t.
3. Peter Sagan, Svq (Bora-hansgrohe), m.t.
4. Elia Viviani, Ita (Cofidis), m.t.
5. Mads Pedersen, Din (Trek-Segafredo), m.t.
6. André Greipel, Ale (Israel Start-Up Nation), m.t.
7. Bryan Coquard, Fra (B&B Hotels-Vital Concept), m.t.
8. Cees Bol, Hol (Sunweb), m.t.
9. Jasper Stuyven, Bel (Trek-Segafredo), m.t.
10. Luka Mezgec, Slo (Mitchelton-Scott), m.t.
(…)
25. Tadej Pogacar, Slo (UAE Emirates), m.t.
28. Tom Dumoulin, Hol (Jumbo-Visma), m.t.
31. Nairo Quintana, Col (Arkéa–Samsic), m.t.
32. Primoz Roglic, Slo (Jumbo-Visma), m.t.
34. Romain Bardet, Fra (AG2R La Mondiale), m.t.
36. Mikel Landa, Esp (Bahrain-McLaren), m.t.
39. Egan Bernal, Col (INEOS), m.t.
42. Miguel Ángel López, Col (Astana), m.t.
49. Alejandro Valverde, Esp (Movistar), m.t.
60. Richard Carapaz, Ecu (INEOS), m.t.
61. Nelson Oliveira, Por (Movistar), m.t.
109. Thibaut Pinot, Fra (Groupama-FDJ), a 05.25 minutos.
125. Emanuel Buchmann, Ale (Bora-hansgrohe), m.t.
160. Julian Alaphilippe, Fra (Deceuninck-QuickStep), a 10.52.

Classificação geral, após a 10.ª etapa:

1. Primoz Roglic, Slo (Jumbo-Visma), 42:15.23 horas.
2. Egan Bernal, Col (INEOS), a 21 segundos.
3. Guillaume Martin, Fra (Cofidis), a 28.
4. Romain Bardet, Fra (AG2R La Mondiale), a 30.
5. Nairo Quintana, Col (Arkéa–Samsic), a 32.
6. Rigoberto Úran, Col (Education First), m.t.
7. Tadej Pogacar, Slo (UAE Emirates), a 44.
8. Adam Yates, GB (Mitchelton-Scott), a 01.02 minutos.
9. Miguel Ángel López, Col (Astana), a 01.15.
10. Mikel Landa, Esp (Bahrain-McLaren), a 01.42.
(…)
14. Tom Dumoulin, Hol (Jumbo-Visma), a 03.22.
15. Richard Carapaz, Ecu (INEOS), a 03.42.
17. Alejandro Valverde, Esp (Movistar), a 03.43.
19. Emanuel Buchmann, Ale (Bora-hansgrohe), a 11.10.
26. Thibaut Pinot, Fra (Groupama-FDJ), a 33.57.
51. Julian Alaphilippe, Fra (Deceuninck-QuickStep), a 52.09.
61. Nelson Oliveira, Por (Movistar), a 01:07.35 horas.

Na quarta-feira, os candidatos à geral deverão ter mais um dia calmo, nos 167,5 quilómetros entre Châtellaillon-Plage e Poitiers, propícios a uma chegada ao ‘sprint’.