Rescaldo do BTT Terras de Oiro

163

Decorreu no passado domingo (04 de março) em Vila Velha de Rodão o BTT Terras de Oiro.

Este evento que decorreu na localidade que acolhe o monumento natural das Portas de Rodão, contou com quase 150 atletas que cedo se começaram a aglomerar junto ao Parque de Campismo Rural de Vila Velha de Ródão, um local com excelentes condições para o efeito.

A chuva deu tréguas ao evento, apesar do céu estar um pouco nebulado e o frio se fazer sentir.

O estacionamento e o secretariado eram logo ali junto à meta, tendo este último apresentado alguma fila. Os brindes, por sua vez foram muito bons: um frasquinho de mel, um queijinho, 250ml de azeite e uma lanterna de cabeça.

Também naquele local, estavam montadas as mesas com um belo pequeno-almoço e que posteriormente, deram vez ao almoço.

Com o Controlo 0 efectuado por chip à partida, esta foi dada pelas 09h00. Inicio ligeiramente a subir, mas que depressa aplanou e começou a aumentar o andamento pelos cerca de 5km de alcatrão iniciais, entrando de seguida na terra batida e subindo por uma encosta, até sensivelmente aos 6km, altura em que a subida acumulada somava 150m, a partir dai rolou-se bastante bem até ao 1º singletrack, cerca dos 10km.

Neste singletrack, o grupo onde nos inseríamos estava bastante compacto e fê-lo todo à mão. A lama e pedra molhada tornavam-no muito escorregadio e, as curvas muito fechadas (boas para passeios pedestres) eram complicadas de fazer de bicicleta, sendo que ao chegarmos ao fundo atravessámos uma ribeira com água a meio da canela seguida duma picada, também ela toda feita à mão por ser muito ingreme e escorregadia.

Daqui em diante, a lama e/ou as pedras escorregadias foram uma constante até aos últimos 5km que foram também em alcatrão.

Ao km 26, apresentava-se o único abastecimento dos 45km (distancia da meia-maratona), com uma boa variedade de comida e bebida.

As marcações, efetuadas com fitas, placas e elementos da organização nos cruzamentos, merecia mais alguma atenção, pois por vezes percorria-se alguma distância sem se verem fitas ou placas, levando a duvidar se estávamos no caminho certo.

No seu todo, foi um percurso bastante interessante, tirando o facto alheio à organização, da chuva dos últimos dias, que criou bastante lama, aumentou caudais de ribeiras e tornou certos locais em verdadeiros pântanos. Com o piso seco, seria uma maravilha.

De realçar e enaltecer as actividades para os acompanhantes (passeio de barco às Portas de Rodão, visita ao Castelo de Rodão e visita ao Lagar de Varas), bem como o reforço alimentar que lhes foi entregue.

Um dos pontos altos foi o almoço, com entradas, sobremesas e almoço em si, com muita quantidade e qualidade. Muito bom mesmo.

Os banhos, segundo se foi ouvindo, acabou por ser de água fria para os participantes que chegaram mais tarde, mas com boas condições.

As lavagens de bicicletas, apesar das condições em que estas se encontravam, pareceram-nos suficientes.

Pena também foi não haver classificação por escalões, tendo apenas sido registados os tempos gerais e atribuídos prémios aos 3 primeiros de cada percurso, masculinos e femininos.

No final, a prova acabou com 45.7km e 850m de subida acumulada, conforme registado pelo Garmin.

Resultados:

Meia-Maratona

1º – Pedro Lacão – DAP Portalegre BTT Team – 1:55:14
2º – Marco Meira, BTTAssumar/Muachos – 1:55:18
3º – Antonio Fernandes “CASTROL” – Lubrialbi / Casa Benfica em Castelo Branco – 1:58:11
(…)
102º – Alberto Monteiro – Individual – 5:14:01

Maratona

1º – Tiago André Maia Lavadelas – BTTAssumar/Muachos – 2:59:17
2º – Nuno Bras Andrade – recabions Antolin – 3:03:54
3º – Tiago Anselmo – BTT Retiro das Adegas / AlarmeON – 3:05:28
(…)
43º – Luís Miguel Saruga Bailão – Rota D`Ossa – 5:06:09

DEIXE UMA RESPOSTA

Escreva o seu comentário
Escreva o seu nome