No domingo, dia 29 de julho, foi a vez do BTT Lobo marcar presença em Turquel, a fim de participar no 4º Raid BTT H.C. Turquel Valsabor, quarta prova constituinte do Troféu BTT Ribatejo Norte, antes do interregno do troféu durante o mês de agosto.

Este evento contou com cerca de 256 atletas na grelha de partida, que apesar de no regulamento constar que seria por boxes de 50 atletas (sujeita a alteração do numero de atletas por box), foi feita por ordem de entrada na manga, facto que desagradou a bastantes atletas.

O percurso dividia-se em duas distâncias. Cerca de 34.5km para o mini-raid e 54.5km para o raid e que nos brindou desde estradão, a single tracks, passando por alcatrão, gravilha e pedra.

O estacionamento, secretariado, banhos, lavagem de bicicletas e almoço foram todos na mesma zona, com muito boas condições.

O secretariado funcionou com bastante rapidez e os banhos estavam também bons. Quanto ao almoço, segundo muitos atletas, foi um dos pontos altos, como já vem sendo hábito. Os brindes entregues a cada atleta, também foram top.

Feito o Controlo 0, a partida foi dada com pontualidade atrás do jipe da organização para um pequeno start loop, que na nossa opinião, foi feito numa velocidade muito baixa, sendo que por vezes se rolava a 15km/h no alcatrão, com muitos toques de guiador e nervosismo.

O percurso depressa estreitou, em caminho de terra batida, que dificilmente proporcionava a hipótese de rolar a par, o que voltou a gerar mais alguma confusão, principalmente com os mais rápidos a quererem chegar-se à frente.

Daí em diante, tudo começou a rolar bem e ao fim de sensivelmente 10km levavam-se 200m de subida acumulada, sendo que no primeiro terço dos atletas se seguia com uma média de 20,5km/h e no final da última grande subida do dia, cerca dos 15.5km, se somavam 375m de subida a uma média de 19km/h. Dai até ao fim, foi sempre a rolar, contando com alguns single tracks pelo caminho.

O percurso esteve bastante bom, com alguma pedra típica da zona e sem grandes necessidades técnicas, acessível à maioria dos atletas.

As marcações efetuadas com fitas, placas e cal, merecem a nosso ver, melhorias. As fitas, além de serem poucas, com o vento enrolavam-se facilmente à vegetação e deixavam de se ver. As marcações com cal em algumas zonas estavam fracas e, com setas marcadas no meio do caminho e da curva, fizeram com que após a passagem dos primeiros atletas, ao travarem em cima delas as apagassem, tendo ocasionado a perda por parte de vários atletas (cerca dos 20km), como foi o nosso caso e onde encontrámos mais cerca de meia dúzia de atletas perdidos.

Melhorando a partida e as marcações, foi um evento muito bom e que tem tudo para continuar e marcar a sua posição como evento de referência.

No final, a meia-maratona (distância que percorremos) acabou com 36km (quase 2km perdidos) e perto de 600m de subida acumulada, conforme registado pelo Garmin.

Resultados:

Geral Meia-Maratona
1º – Fábio André – RÓÓDINHAS / Santos Silva – 1:24:41.31
2º – André Daniel – Grupo Cicloturismo Barquinhense – 1:24:57.32
3º – Fábio Silva – Roda Livre Cartaxo Team / Findmore Consulting 1:25:15.63
(…)
163º – Rita Margarida – Individual – 3:01:23.87

Geral Maratona
1º – André Filipe – CPR A-do-Barbas – 2:18:45.39
2º – Marco Aurélio Querido De Sousa – Roodinhas – 2:18:45.57
3º – João Santos – RÓÓDINHAS / Santos Silva – 2:18:46.67
(…)
93º – Ana Mota – Individual – 3:56:41.36