Quinze projetos turísticos no Alentejo e Ribatejo avançam num investimento de 2,3 ME

29

Quinze projetos turísticos no Alentejo e Ribatejo, num investimento global de 2,3 milhões de euros, com apoios comunitários, vão ser apoiados pelo Programa Valorizar, visando 11 deles a criação de uma rede de BTT e ‘Cycling’.

Os 15 projetos, explicou hoje a Entidade Regional de Turismo (ERT) do Alentejo e Ribatejo, vão ser financiados pelo Turismo de Portugal, através do Programa Valorizar – Linha de Apoio à Valorização Turística do Interior, beneficiando de incentivos que totalizam cerca de 1,7 milhões de euros, através de fundos comunitários.

Na presença da secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, os contratos de financiamento vão ser assinados, esta segunda-feira, em três cerimónias públicas, a realizar na Câmara de Beja, na Enoteca de Redondo (Évora) e na Adega da Ervideira (Évora).

Segundo a ERT, os investimentos dizem respeito às temáticas do enoturismo, turismo de natureza e ‘cycling’.

“Além da vital importância para as entidades beneficiárias, estas iniciativas são reveladoras do empenho e dinâmica dos agentes do território” para que seja possível “afirmar, cada vez mais, o Alentejo e o Ribatejo como destinos turísticos de excelência”, realçou a ERT.

De acordo com os projetos, consultados pela agência Lusa, a implementação e dinamização da Rede Integrada de Centros BTT e ‘Cycling’ é uma das principais iniciativas e é a que congrega mais parceiros e ações de investimento.

No global, esta área envolve um investimento de mais de 724 mil euros, com incentivos na ordem dos 622 mil euros, fruto de iniciativas da Turismo do Alentejo e Ribatejo e de 10 municípios, oito deles alentejanos (Marvão, Castelo de Vide, Portalegre, Arronches, Borba, Redondo, Almodôvar e Ourique) e dois ribatejanos (Coruche e Chamusca).

O objetivo dos projetos, explicou a ERT, passa por “estruturar o produto” do BTT e do ‘cycling’ no território, promovendo “condições para aumentar a oferta de percursos e rotas devidamente homologadas e sinalizadas”, para que os utilizadores possam ficar a “conhecer os vastos recursos naturais, culturais e etnográficos” de ambas as regiões.

Já no âmbito do enoturismo, o Valorizar aprovou dois projetos na zona de Évora, um da Comissão Vitivinícola Regional Alentejana, para a criação de um Centro de Dinamização e Promoção dos Vinhos do Alentejo, e outro do produtor vitivinícola Ervideira, que contempla a ampliação da adega com a construção de um “Pavilhão de Enoturismo” destinado a provas e comercialização de vinhos.

Na área do turismo de natureza, enquadram-se outros dois projetos aprovados, um resultante da parceria entre a Câmara de Beja e a Empresa de Desenvolvimento e Infraestruturas do Alqueva (EDIA) e outro promovido só pela empresa gestora do Alqueva.

O primeiro, segundo a ERT, consiste na criação de um parque fluvial, na albufeira de Cinco Reis e resultante do empreendimento de fins múltiplos de Alqueva.

O parque, acrescentou a Câmara de Beja, vai ter praia fluvial, parque de merendas e circuito de manutenção e vai permitir a observação de aves e atividades náuticas não motorizadas, permitindo “potenciar turisticamente o concelho”.

O segundo projeto, referiu a ERT, baseia-se na estruturação dos recursos e equipamentos da EDIA, de forma integrada, “assente nas dinâmicas turísticas associadas à água, natureza e cultura”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Escreva o seu comentário
Escreva o seu nome