Celso Fonseca espera ter feito uma viragem na sua vida ao bater três recordes mundiais de ciclismo, deixando para trás uma história de problemas de saúde mental e um período como sem-abrigo em Cardiff, no País de Gales.

Além de muitos pedidos de entrevistas, o português de 36 anos, natural de Mem Martins, tem recebido convites e ofertas de patrocínio para continuar a praticar ciclismo, mas de uma forma mais séria.

“Estou chocado, já ouvi falar em milhões. Estou muito nervoso, é muito depressa para quem estava a dormir na rua. Nunca pensei que isto fosse acontecer”, confessou Celso Fonseca, em declarações à agência Lusa.

Passaram apenas três semanas desde que Celso Fonseca colocou em prática o desafio de pedalar continuamente durante 24 horas na pista exterior do Centro Maindy, na capital galesa, entre 18 e 19 de novembro.

O objetivo do português era bater o esloveno Marko Baloh, que em 2008 percorreu 890 quilómetros em 24 horas, apesar de o austríaco Christoph Strasser ter reivindicado em 2015 o recorde mundial, ao percorrer 896 quilómetros.

A ideia surgiu a Fonseca após visionar um vídeo sobre a corrida de automóveis 24 horas de Le Mans.

“Foi quando estava a dormir na rua. Não sei porquê, o desejo esteve sempre lá dentro, mas nunca tinha existido nada para dar o primeiro impulso. Quando vi o vídeo, comecei a pensar: será que eu consigo pedalar durante 24 horas? Foi assim que isto começou”, recordou Celso Fonseca.

Em janeiro começou a treinar e estima ter feito mais de um milhão de voltas na pista, equivalente a 46 mil quilómetros, começando por pedalar consecutivamente durante nove horas até, a certa altura, ter prolongado o exercício até 50 horas, com interrupções apenas para comer e beber.

Obteve apoio de uma cadeia de lojas de bicicletas britânica, mas o equipamento tardou em chegar e a campanha de angariação de fundos de lançou para cobrir despesas também ficou abaixo do esperado.

Mesmo assim, Celso Fonseca avançou com o projeto e às 18:30 horas de 18 de novembro iniciou o desafio, que foi acompanhado por oficiais da Associação de Ultramaratonas de Ciclismo britânica.

O que não esperava era que, poucas horas depois, começasse a receber sinais de que tinha batido outros recordes: primeiro dos 100 quilómetros, depois dos 200 quilómetros, 300 quilómetros, 300 milhas (482,8 quilómetros) e 500 quilómetros.

O que não esperava era que pelo caminho quebrasse recordes mundiais noutras distâncias: 300 quilómetros, em 9:05:41 horas, 300 milhas (482,8 quilómetros), em 15:31:59 horas, e 500 quilómetros, em 16:08:33 horas.

Dificuldades na alimentação somaram-se à descida da temperatura para quatro graus negativos, afetando a parte final da prova, que Fonseca completou após percorrer 708 quilómetros.

 

O português espera que a proeza abra perspetivas de carreira como praticante de ultraciclismo e também para promover campanhas de sensibilização em torno da saúde mental, já que tem assume sofrer de problemas psicológicos há vários anos.

Celso Fonseca chegou a Cardiff há 11 anos, “zangado” com as dificuldades em lidar com companhias de seguros na sequência de acidentes enquanto praticava ciclismo em Portugal, e trabalhou em várias profissões, nomeadamente como segurança.

“Mas tenho problemas psicológicos porque fui abusado pelo meu pai quando era criança e isso afetou-me muito. Tornei-me sem abrigo porque a minha cabeça ‘explodiu’. Tentei suicidar-me, mas agora estou a ser seguido por um psiquiatra”, relatou Celso Fonseca à Lusa.

Viveu na rua três meses e, após um período num centro para sem abrigo, foi alojado numa habitação social, aguardando receber alta médica para voltar a trabalhar.

O português já foi encorajado a contactar a família real, nomeadamente os príncipes Guilherme e Harry, devido ao seu envolvimento em campanhas sobre saúde mental.

“Eu quero fazer a diferença. Pela primeira vez na minha vida percebo que não fiz nada de errado”, vincou.

Quanto ao ultraciclismo, é algo que se vê a fazer futuro.

“Fiz isto de borla, mas se me pagarem até voo!”, exclama, acrescentando: “Mas vou esperar até que estejam pelo menos 10 graus [positivos] porque está muito frio!”.

Deixar uma resposta