PUB

Pedro Silva venceu a etapa inaugural e vestiu a primeira Camisola Amarela Sociedade Ponto Verde da principal prova realizada em Portugal para o escalão Sub 23 que começou esta quinta-feira.

PEDRO SILVA COMEÇA COM TRIUNFO EM ABRANTES NA 29ª VOLTA A PORTUGAL DO FUTURO 2º GRANDE PRÉMIO CMTV
João Calado/Podium Events

O ciclista da Glassdrive/Q8/Anicolor bateu ao sprint João Medeiros (LA Alumínios-Credibom-Marcos Car), numa decisão final que coube a um pequeno grupo que se destacou já numa fase derradeira da corrida.

PUB

Com a ajuda das bonificações, Pedro Silva ficou com seis segundos de vantagem sobre o segundo classificado e oito sobre o terceiro, Francisco Pereira (ABTF Betão-Feirense). Foi exatamente este jovem que deu início à movimentação que viria finalmente a partir um pelotão que, até perto dos 100 quilómetros, permitiu grandes vantagens a quem tentou escapar.

PEDRO SILVA COMEÇA COM TRIUNFO EM ABRANTES NA 29ª VOLTA A PORTUGAL DO FUTURO 2º GRANDE PRÉMIO CMTV
João Calado/Podium Events

Foram vários quilómetros isolado na frente, com Pedro Silva (Glassdrive/Q8/Anicolor), João Medeiros (LA Alumínios-Credibom-Marcos Car), Hélder Gonçalves (Kelly/Simoldes/UDO) e Pedro Leme (ACDC Trofa) numa perseguição que daria frutos para chegarem à frente de corrida. Os espanhóis David Delgado (Bicicletas Rodriguez Extremadura), Gabriel Francisco Rojas (Essax) e o português Daniel Dias (Kelly/Simoldes/UDO) juntar-se-iam já muito perto da meta.

Com a reta final em ligeira subida, Pedro Silva foi mais forte.

“Estou a atravessar um bom momento de forma e tem corrido tudo muito bem. Estou muito contente”, referiu o jovem ciclista. Porém, considera que não será fácil manter a liderança. “Gostava muito, mas com dois atletas é difícil. Vamos dia a dia. Esta Volta a Portugal do Futuro é uma clássica cada dia. Não vai ser fácil, mas vamos dar o nosso melhor”.

Estar numa equipa Continental profissional é algo que não vê como uma vantagem, mas sim como um fator de motivação: “Acabamos por fazer as mesmas corridas.  Sinto-me mais motivado para trabalhar porque estou numa equipa que requer mais responsabilidade. Este inverno também me apliquei e trabalhei muito para estar em boa forma.”

Pelotão começou a pedalar nas Caldas da Rainha

Este primeiro dia de competição com 130,9 quilómetros começou nas Caldas da Rainha. Pouco depois do início de etapa já o pelotão atacava uma primeira contagem de montanha. Daniel Dias (Kelly/Simoldes/UDO) trabalhou logo de início para vestir a Camisola Azul PSG, símbolo do Prémio da Montanha. O corredor foi o primeiro tanto na quarta categoria na Nazaré, como na terceira no Alto de Alvados.

As metas volantes em Martingança, Batalha e Constância foram divididas por Ivan Dias Fernandez (Ciclismo Galego Federación), Duarte Mixão (Alenquer-GDM-Sobralcar) e Francisco Pereira (ABTF Betão-Feirense).

Nas restantes classificações, Pedro Silva, além de líder da geral, assumiu também o comando por pontos, envergando a Camisola Verde CMTV. Já a Branca Exclusivagora, símbolo da Juventude que premeia o melhor classificado entre os mais jovens, ficou para o espanhol Inaki Errazquin (Aluminios Cortizo).

Segunda Etapa Começa Difícil

Esta sexta-feira, as 16 equipas, que começaram por alinhar com 96 corredores, irão enfrentar 141,1 quilómetros a partir do meio dia, na Lousã. Nos primeiros 50 quilómetros haverá três contagens de montanha. Miranda do Corvo (quarta categoria aos 6,9 quilómetros), Espinheira (terceira aos 42,3) e Luso (quarta aos 49,3) vão testar as forças do pelotão. As metas volantes da segunda etapa serão em Vila Nova de Poiares (25,9), Cantanhede (76) e Oliveira do Bairro (129,4). A meta será em Águeda.

PUB