A empresa líder mundial em tecnologia de segurança cerebral, a MIPS recebe novos sistemas rotativos no mercado, mas chama a atenção para a falta de padrões para testes de movimento rotacional. A segurança do utilizador deve sempre vir em primeiro lugar.

A MIPS, empresa sueca de tecnologia de segurança do cérebro, lidera o caminho na segurança dos capacetes e do cérebro, com mais de 20 anos de pesquisa.

O Sistema de Proteção do Cérebro (BPS – Brain Protection System), patenteado pela MIPS, foi projetado para reduzir o movimento de rotação, transferido para o cérebro, de impactos angulares, mantendo os utilizadores mais seguros em atividades ao ar livre, desde principiantes a atletas profissionais.

Num acidente, as forças para a cabeça humana podem ser divididas em forças radiais e tangenciais. O teste de forças radiais demonstra principalmente a capacidade de um capacete de proteger a cabeça da fratura craniana, enquanto o teste de forças tangenciais demonstra a capacidade potencial de evitar lesões cerebrais, como traumatismo crânio-encefálico, hematoma subdural e contusão.

Atualmente, a maioria dos testes em capacetes é focada em forças radiais, excluindo forças tangenciais.

O movimento de rotação causado por essas forças tangenciais é precisamente o que o MIPS está a estudar. A tecnologia MIPS ativa o movimento de 10-15 mm em qualquer direção sob uma carga pesada em menos de 10 milissegundos após um impacto, reduzindo os efeitos de rasgo no cérebro resultantes do movimento rotacional.

Entre as marcas de capacete, dois sistemas surgiram no mercado ao longo dos anos, que afirmam abordar o movimento rotacional e reduzir a pressão sobre o cérebro em certos impactos.

A MIPS está a desenvolver testes intensivos para ver como outros resolveram este problema e até agora os resultados indicam que, tal como o MIPS e outros institutos de testes líderes testam o movimento rotacional, eles não reduzem esse movimento prejudicial em grau suficiente.

Embora a MIPS tenha realizado muitos testes em milhares de capacetes, a preocupação é menor em relação à precisão das alegações feitas e mais:  Não existe um padrão em toda a indústria de testes.

“Nós da MIPS realizamos mais de 22.000 testes e sabemos que nem todos os capacetes são igualmente seguros, nem mesmo aqueles que pretendem abordar o movimento rotacional”, diz Johan Thiel, CEO da MIPS.

“Neste momento, quase qualquer um pode afirmar que seu capacete está reduzindo o movimento de rotação, porque não há um padrão que tenha que se cumprir. Isso é sério e preocupante para os utilizadores que pensam que estão a comprar um capacete com proteção adicional”.

Thiel continua “Congratulamo-nos com um vigoroso debate científico sobre todos os aspetos das soluções acerca do movimento rotacional, porque é necessário que este seja um padrão para proteger o utilizador”.

A MIPS realizou mais de 22.000 testes no seu laboratório de última geração na Suécia. O próprio Dr. Peter Halldin, do MIPS, com o Dr. Hans von Holst, é autor de vários trabalhos académicos sobre biomecânica de impacto de capacete desde 1996. Dividindo seu tempo entre o MIPS AB e o KTH (Instituto Real de Tecnologia de Estocolmo), Halldin também é um dos principais motivadores para um dos grupos de trabalho do CEN TC158, a entidade que recomendará um novo padrão de testes de movimento rotacional para capacetes desportivos de consumo. É a sincera esperança da MIPS que outras entidades sigam essa boa iniciativa.

Ao longo dos anos, foram realizados mais de 13 testes realizados por companhias de seguros, universidades e organizações que incorporaram o método de testes de movimento rotacional, mas ainda não foi definido nenhum padrão.

A MIPS está preocupada com o nível de testes das várias marcas de capacetes e continua comprometido em continuar a aplicar os mais de 20 anos de experiência e pesquisa no campo da ciência do cérebro, tanto na tecnologia MIPS quanto na liderança em direção a novos padrões de segurança e proteção.

A MIPS está convencida que, com testes mais rigorosos, os consumidores podem ser mais bem informados sobre a segurança do capacete e entender melhor o que torna um capacete mais seguro do que outros.

Os resultados dos testes a 50 capacetes, efetuados pela Virginia Tech, podem ser encontrados em helmet.beam.vt.edu. Mais informações sobre a MIPS em mipsprotection.com.

Deixar uma resposta