“O set up correto da bicicleta pode fazer uma enorme diferença em termos de confiança e de quanto se está disposto a puxar, no dia da corrida.” – Kate Courtney

© Sven Martin / Jochen Haar / Etienne van Rensburg

Suspensão, pressão dos pneus, design do cockpit – A obtenção das configurações corretas na bicicleta é muito importante para o desempenho de um atleta XC.

Para a campeã do mundo, Kate Courtney, que corre ao mais alto nível, isso significa que ela não deixa pedra sobre pedra quando se trata da sua bicicleta estar 100% pronta no dia da corrida.

PORQUE TESTAR É IMPORTANTE

Testar equipamento não é só obter a melhor configuração de bicicleta possível. É igualmente importante descobrir o que funciona melhor e encontrar a harmonia perfeita entre o atleta e a máquina. Nas corridas, todos os detalhes são importantes.

É por isso que é desejável que todos os detalhes estejam em ordem, e é por isso que é muito importante consumir o tempo que for necessário a testar diferentes configurações.

Cada pista é diferente, e as condições podem mudar rapidamente, então Brad Copeland e Kate Courtney devem adaptar-se e modificar a configuração da bicicleta antes de cada corrida da Taça do Mundo, de acordo com as condições do momento.

OBTER O SET UP CORRECTO DA SUSPENSÃO

© Sven Martin / Jochen Haar / Etienne van Rensburg

Para começar, Kate e o mecânico da equipa SCOTT-Sram, Brad Copeland trabalham para formar uma configuração de base, estabelecendo parâmetros de pressão, compressão e retorno, que podem ser ajustadas para se adequar às diferentes condições climatéricas e de percurso.

Durante as paragens da época, ou ao avaliar novos equipamentos, Kate e Brad testam as configurações de suspensão da bicicleta até chegarem a um número configurações de base mais adequado para pressão e amortecimento, que podem ser usadas em todas as corridas.

© Sven Martin / Jochen Haar / Etienne van Rensburg

Isso permite um ponto de referência consistente para a manobrabilidade e para a resposta da bicicleta, o que facilita bastante a deteção das alterações que poderão ser necessárias fazer se o percurso ou as condições o justificarem.

Normalmente, bastam apenas algumas voltas à pista e têm as configurações adequadas.

PRESSÃO DOS PNEUS

© Sven Martin / Jochen Haar / Etienne van Rensburg

Há uma linha muito ténue entre o apenas suficiente e o muito baixo! Normalmente, correr com pressão mais baixa, proporciona melhor aderência, menor resistência ao rolamento em terrenos acidentados e um pouco de conforto adicional também.

É claro que levar esta questão longe demais implica um maior risco de furos devido a impactos fortes, porque simplesmente não existe ar suficiente no pneu para evitar que ele toque no aro.

© Sven Martin / Jochen Haar / Etienne van Rensburg

Como com a suspensão, Kate e Brad passam o tempo a pedalar juntos e a ajustar diferentes valores de pressão, para testar o comportamento da bicicleta, às vezes fazem paragens ao longo do percurso para fazer mudanças, de modo a poderem fazer uma comparação imediata.

Mais uma vez, eles trabalham a partir de uma pressão estabelecida como linha de base, para cada opção de pneu e fazem pequenas mudanças dependendo das condições do percurso ou do clima.

ORGANIZE O “COCKPIT”

© Sven Martin / Jochen Haar / Etienne van Rensburg

Todos somos diferentes e todos temos as nossas próprias preferências de acordo com as nossas sensações em cada ponto de contato da bicicleta.

Com as mudanças de andamentos da transmissão, alterações no espigão telescópico e no bloqueio da suspensão na ponta dos dedos, é importante garantir que a sensação e a condução pareçam naturais e fáceis.

Isso permite uma manipulação segura e confortável da bicicleta de forma a garantir que o piloto experimente a condução mais eficiente, o que minimiza o tempo gasto no uso dos devidos controlos e faz com que a bicicleta pareça uma extensão natural do corpo.

© Sven Martin / Jochen Haar / Etienne van Rensburg

“O cockpit de Kate reflete muitas adaptações que foram necessárias para as suas mãos pequenas e o seu alcance limitado – nós cortamos os punhos de modo a tornarmo-los mais curtos, colocamos um botão do espigão telescópico personalizado e acionamos o alcance da alavanca mais do que é normal, mas eu observo o seu posicionamento nos controlos ao milímetro e entretanto chegamos a uma posição perfeita que usamos em todas as suas bicicletas, incluindo a sua Custom Spark RC WC.” – mecânico, Brad Copeland

RELACIONAMENTO COM O MECÂNICO

© Sven Martin / Jochen Haar / Etienne van Rensburg

Mais fácil falar do que fazer! Ter alguém em que se confia a 100% para preparar o equipamento que se usa durante uma corrida é algo especial. Confie que é seguro, para começar, e que todas as configurações são deliberadas e definidas com intenções após testes e comunicação extensivas entre o piloto e a mecânica nos levaram às especificações escolhidas.

Além disso, o trabalho do mecânico é poder avaliar rapidamente e fazer reparos rápidos e às vezes improvisados ​​rapidamente no meio da corrida, mesmo quando a pressão está alta.

“Felizmente para mim, a Kate é maravilhosa para trabalhar e compartilha o sucesso pelo qual trabalhamos arduamente. Nossa amizade e confiança mútua está em desenvolvimento há cinco anos, e nós dois apreciamos o que o outro faz”.

© Sven Martin / Jochen Haar / Etienne van Rensburg

“Isso é muito importante num desporto em que tanto do resultado pode ser determinado pelo desempenho e integridade do equipamento! E porque eu sei que a Kate vai aparecer pronta para dar 200% de esforço, eu tenho muita motivação para garantir que a bicicleta esteja perfeita e repleta de pequenos detalhes que espero que ela se sinta especial quando olha para ela”. – mecânico, Brad Copeland

Deixar uma resposta