No episódio 2 da série Rising acompanhamos Kate Courtney nos bastidores para descobrir o que é preciso para ser a mountain biker mais rápida do mundo.

“Considero que o trabalho duro é um dos mais importantes fatores para minha evolução… é algo que sempre me deu muito orgulho, estar realmente disposta a fazer o que for preciso.” No Train, No Gain

TREINO DE FORÇA

© Etienne van Rensburg / raineduponmedia

Competir no topo da elite do mountain biking custa muito mais que longos dias sobre a bike. É uma questão de treino, aquilo que faz ficar pronta para aguentar o esforço e manter a alta performance em qualquer circunstância durante uma prova. Isso significa criar um programa que seja dinâmico, colocando em situações novas que desafiem sua mente e seu corpo.

© Etienne van Rensburg / raineduponmedia

“Eu tenho um treinador específico de força e nós trabalhamos juntos para montar um programa realmente único, me colocando nas mais diferentes situações, assim eu tenho uma melhor consciência situacional, coordenação, força e posso atingir um alto desempenho sob quaisquer circunstâncias.” – Kate Courtney

MENTAL

© Etienne van Rensburg / raineduponmedia

Força mental, ainda que talvez seja a mais importante ferramenta de todas, é sem dúvida também a mais difícil de dominar. Yoga e meditação são peças importantes do quebra-cabeça do treino que permite a Kate manter sua mente clara e focada no dia de uma competição.

“Na elite do esporte, fisicamente as pessoas são separadas por pequenas porcentagens. Ser capaz de manter sua cabeça focada no dia da corrida, ter um plano realmente claro e tomar boas decisões pode fazer uma grande diferença.” Kate Courtney

NA ESTRADA E NO TRILHO

© Ego Promotion, Etienne van Rensburg, Devon Balet

Pedalar na estrada com sua Contessa Spark RC 900 ou SCOTT Addict, permite a Kate treinar de forma consistente, usando intervalos para maximizar seu rendimento e eficiência. Isso dá a ela a potência que precisa em uma seção técnica com raízes ou em um sprint na hora de cruzar a linha de chegada como vencedora.

COMPETIÇÃO

Dia de prova. É nisto que tudo se resume. Parte da batalha é colocar as coisas em prática, a segunda parte é acreditar que o que fez é suficiente, que está pronto. Ainda que o trabalho pesado de Kate, sua dedicação e determinação são inquestionáveis, é no dia da corrida que o verdadeiro teste é levado a cabo. As vitórias nas duas primeiras etapas da Copa do Mundo de 2019 provam que Kate é uma força a ser reconhecida.

“Eu acho que a verdadeira confiança vem da experiência e todas essas experiências vão para o meu pequeno banco de confiança quando eu alinho para largar. Não importa o que aconteça, eu posso alcançar algo grande hoje, mesmo que abandone após um problema mecânico ou ganhe posições em uma corrida onde eu não termine tão bem. Creio que esses tipos de situações sempre são vitórias pessoais, porque refletem o trabalho duro e esse é o meu objetivo no dia da corrida.” – Kate Courtney

Como é uma semana típica de treino?

© Ego Promotion, Etienne van Rensburg, Devon Balet

Normalmente, eu pedalo todos os dias e passo de 2 a 3 dias por semana na academia. Meus pedais em geral envolvem uma série de sessões de intervalos e são feitos na mountain bike ou na bike de estrada, enquanto meus dias duplos geralmente incluem pedaladas ligeiramente mais curtas. Eu pedalo por toda parte de 15 a 25 horas por semana e passo cerca de 3 a 6 horas na academia. Fora disso, eu ainda uso o meu tempo de treino para fazer yoga, alongamento e focar em recuperação. Só pode treinar duro se puder se recuperar bem.

Vídeo: Rising – Ep 2: No Train No Gain

Se pudesse sugerir três treinos a um amigo para melhorar o seu andamento, quais seriam e por quê?

© Ego Promotion, Etienne van Rensburg, Devon Balet

Para aqueles que estão começando, meu maior conselho é simplesmente passar mais tempo na bike e identificar as habilidades específicas nas quais gostaria de trabalhar durante seu tempo na trilha. Então pode intensificar seu treino com intervalos, tempo na academia, etc. – A coisa mais valiosa que pode fazer como um atleta novato ou intermediário para evoluir é passar mais horas pedalando.

© Etienne van Rensburg / raineduponmedia

Além do volume de treino adicional, eu recomendo trabalhar em fortalecer todo o tronco (não apenas os abdominais!) e garantir uma boa rotina de alongamentos/recuperação. Muito do trabalho que faço no ginásio e de recuperação é para a prevenção de lesões e para me ajudar a permanecer forte e saudável enquanto movimento meu corpo por um longo período de tempo.

Que parte importante no treino a maioria das pessoas subestima?

© Ego Promotion, Etienne van Rensburg, Devon Balet

As pessoas subestimam a recuperação! Eu trabalho minha recuperação tão seriamente quanto o meu treino e acho que faz uma grande diferença. Se pode se recuperar entre as sessões, é capaz de pedalar com mais intensidade no geral e ter uma chance muito maior de evitar enfermidades e lesões.

Deixar uma resposta