A mítica Camisola Amarela, símbolo do líder do Tour de France, celebra 100 anos, como tal, a  marca de equipamentos desportivos Le Coq Sportif, fornecedor da Camisola Amarela entre 1951 e 1988 e desde 2012, comemora esta efeméride vestindo o líder da classificação geral da prova com um espécimen único no final de cada etapa.

© A.S.O. Pauline Ballet

Esta novidade foi apresentada pela Le Coq Sportif, os organizadores do Tour de France e a LCL. Foram também apresentadas as vinte camisolas.

O Atomium, em Bruxelas, a catedral de Reims, o leão de Belfort, a Place du Capitole em Toulouse, mas também Eugène Christophe e os penta campeões do Tour, receberão um lugar de destaque nas desejadas camisolas.

© A.S.O. Pauline Ballet

A camisola Amarela apareceu pela primeira vez no pelotão do Tour de France a 19 de julho de 1919, nos ombros de Eugène Christophe, que liderou a classificação geral até ao penúltimo dia, adquiriu o status de um troféu especial no mundo do desporto.

© A.S.O. Pauline Ballet

Os ciclistas que ganharem o privilégio de usá-la cem anos depois também terão a honra de vestir amostras exclusivas personalizadas, com o percurso da cada etapa em que a usam. Com efeito, é natural que seja um “sprinter” que vai orgulhosamente colocar ao peito, na noite de 6 de julho, uma camisola amarela com o Atomium, o símbolo da cidade de Bruxelas.

© A.S.O. Pauline Ballet

O líder da classificação geral provisório irá provavelmente mudar mais tarde na prova, antes do pelotão se dirigir para os Alpes, com uma camisola amarela dedicada ao aqueduto de Pont du Gard.

© A.S.O. Pauline Ballet

Naturalmente, a camisola mais desejada será premiada em Val Thorens na noite da penúltima etapa, após a qual o quase certo vencedor da 106ª edição fará sua entrada na Champs-Elysées vestindo uma camisola na qual o Arco do Triunfo será o símbolo destacado da vitória.

Entre as camisolas raras feitas pelo Le Coq Sportif, um único exemplar será personalizado todas as noites com o nome do ciclista e o título da etapa em que será usada. A versão réplica disponível para os fãs será baseada em três elementos visuais: o Atomium, uma paisagem montanhosa e o Arco do Triunfo.

© A.S.O. Pauline Ballet

Para a edição de 2019, as camisolas amarelas usadas todos os dias pelo líder da corrida são feitas em França, na fábrica da Le Coq Sportif em Romilly-sur-Seine. O know-how da marca e seus especialistas estarão presentes em cada etapa ao lado do líder do Tour de France.

As 20 camisolas amarelas do Tour de France 2019:

Etapa 2 – Bruxelles Palais Royal – Bruxelles Atomium: O Atomium já teve um lugar de destaque para um Grand Départ antes, em Bruxelas, em 1958, no mesmo ano da Feira Mundial.

Etapa 3 – Binche – Epernay: Eddy Merckx venceu o primeiro de seus cinco triunfos no Tour há 50 anos.

Etapa 4 – Reims – Nancy: A Catedral de Reims testemunhou a coroação dos reis franceses … assim como muitos velocistas no Tour de France.

Etapa 5 – Saint-Dié-des-Vosges – Colmar: Jacques Anquetil, o primeiro ciclista a vencer o Tour por cinco vezes, revolucionou o desporto.

Etapa 6 – Mulhouse – La Planche des Belles Filles: Em plano, nas cidades ou nas montanhas, o pelotão do Tour de France está sempre pronto para or ao encontro dos espectadores.

Etapa 7 – Belfort – Chalon-sur-Saône: O Leão de Belfort, uma escultura de Auguste Bartholdi, a quem devemos a Estátua da Liberdade em Nova York. Este é o lugar onde Eddy Merckx vestiu pela primeira vez a camisola amarela e manteve-a ao longo de toda a corrida, até Paris, em 1969.

Etapa 8 – Mâcon – Saint-Etienne: Bernard Hinault, cinco vezes vencedor do Tour de France, também é o último francês a vencer a corrida. Bernard Hinault, manchado de sangue, termina em Saint-Étienne.

Etapa 9 – Saint-Etienne – Brioude: O estádio Geoffroy-Guichard em Saint-Étienne, apelidado de caldeirão, também faz parte da herança esportiva da França.

Etapa 10 – Saint-Flour – Albi: A Catedral de Sainte-Cécile, em Albi, é o maior edifício em tijolos do mundo.

Etapa 11 – Albi – Toulouse: Jacques Anquetil, Eddy Merckx, Bernard Hinault e Miguel Indurain são os membros do exclusivo clube de cinco vezes vencedores do Tour de France.

Etapa 12 – Toulouse – Bagnères-de-Bigorre: A Place du Capitole em Toulouse, uma das maiores praças da França.

Etapa 13 – Pau – Pau: Eugène Christophe foi o primeiro ciclista a usar a camisola amarela em 1919 … Perdeu-a um dia antes de a corrida terminar.

Etapa 14 – Tarbes – Tourmalet Barèges: Desde a primeira subida do Col du Tourmalet, em 1910, o pelotão subiu o gigante dos Pirinéus por 82 vezes.

Etapa 15 – Limoux – Foix Prat d’Albis: Miguel Indurain é o único ciclista que venceu o Tour de France cinco vezes consecutivas.

Etapa 16 – Nîmes – Nîmes: As arenas em Nîmes ganham vida quando ocorre o festival Feria, mas também já foram palco da Copa Davis e dos ciclistas na Vuelta.

Etapa 17 – Pont du Gard – Gap: O aqueduto Pont du Gard, uma estrutura monumental que data dos tempos romanos, atravessa o rio Gardon.

Etapa 18 – Embrun – Valloire: O Col du Galibier foi palco do melhor final da história do Tour de France em 2011, a uma altitude de 2.645 metros.

Etapa 19 – Saint-Jean-de-Maurienne – Tignes: O Col de l’Iseran, situado a uma altitude de 2.770 metros, será o ponto mais alto do Tour de France em 2019.

Etapa 20 – Albertville – Val Thorens: No dia anterior ao final do Tour de France, a última etapa de montanha pode ver um resultado dramático na batalha pelos lugares do pódio.

Etapa 21 – Rambouillet – Paris Champs-Elysées: O Arco do Triunfo domina os Champs-Élysées, que é palco do Grand Finale do Tour de France desde 1975.

Deixar uma resposta