Miranda-Mortágua regressa à estrada para disputar Grande Prémio Beiras e Serra da Estrela

26

A equipa Continental UCI Miranda-Mortágua volta à estrada com o pelotão internacional a partir de sexta-feira e até domingo, de 13 a 15 de abril, para disputar o III Grande Prémio Internacional Beiras e Serra da Estrela. Trata-se da primeira prova internacional da época de classe 2.1 UCI em solo nacional, que vai somar 539,4 km ao longo de três etapas que vão percorrer a beleza da região das Beiras e da Serra da Estrela.

Gonçalo Carvalho, Hugo Nunes, Jorge Magalhães, Nuno Meireles, Damien Cordeiro, José Sousa e Tiago Leal são os sete ciclistas Miranda-Mortágua convocados para a prova, com previsão de condições meteorológicas longe das desejadas, mas que “por certo não vão intimidar os nossos corredores”, assegurou Pedro Silva, diretor desportivo da equipa.

“Esperamos que a maré de azar e de acontecimentos negativos já tenha sido ultrapassada e que esta prova marque uma nova fase, onde nos seja permitido mostrar o nosso valor”, afirmou Pedro Silva, adiantando que os ciclistas prepararam-se muito bem para a corrida, sendo sua convicção que “quer o Hugo Nunes como o Gonçalo Carvalho vão ter uma palavra a dizer durante a prova, por o percurso das três etapas ser ao jeito deles e das suas qualidades técnicas”. Contudo, “não sabemos o que vai acontecer. Apenas sabemos que precisamos ter um comportamento em prova ao nível do nosso valor e é nesse sentido que vamos trabalhar”, rematou o dirigente da Miranda-Mortágua.

Com um percurso duro e marcado pelo sobe e desce, a primeira etapa arranca sexta-feira, dia 13, às 12 horas, para completar 177,2 km que unem Mêda a Figueira de Castelo Rodrigo. Com três prémios de montanha de terceira categoria – aos 47,5 km; 52,3 km e 171,4 km –, a última contagem, a 5,8 km da chegada, poderá inviabilizar uma disputa ao sprint, com chegada prevista para as 16.30 horas na Avenida 25 de Abril, no centro da vila.

Sábado, dia 14, o pelotão sai para a etapa mais longa, com 193,9 km, entre Sabugal e Seia. Pelo caminho estão três subidas de segunda categoria, sendo a derradeira a 28,4 km da meta. A partida será dada novamente às 12 horas, esperando-se o final da tirada para as 17 horas.

No dia 15, domingo, os ciclistas iniciam viagem às 12 horas para a terceira e última etapa e assim concluir 168,3 km, entre Gouveia e Guarda, onde o pelotão é esperado pouco depois das 16 horas. Esta será outra tirada também disputada em alta montanha, com os corredores a escalar o Alto da Torre, sítio mais alto de Portugal Continental, em pleno Parque Natural da Serra da Estrela. Das duas contagens de montanha, a primeira surge aos 57 km e é de primeira categoria e a segunda a 600 metros da linha da meta, sendo esta de terceira categoria.

Vão alinhar na prova as nove equipas continentais lusas, estando entre as convidadas quatro de categoria continental profissional.

DEIXE UMA RESPOSTA

Escreva o seu comentário
Escreva o seu nome