O Campeonato Nacional de Estrada para elite e sub-23, que vai realizar-se entre 28 e 30 de junho de 2019, foi hoje apresentado em Melgaço, concelho que recebe a competição. O secretário de Estado da Juventude e Desporto, João Paulo Rebelo, esteve presente na cerimónia desta manhã.

Durante três dias, Melgaço acolhe os cerca de 200 participantes esperados, as respetivas equipas técnicas e os amantes da modalidade, numa iniciativa que vai dinamizar a economia local e proporcionar um espectáculo de elevada qualidade, oferecido pelos melhores ciclistas portugueses.

O programa arranca com a disputa dos títulos de contrarrelógio, ao início da tarde de sexta-feira, dia 28. Ao meio-dia inicia-se o contrarrelógio de elite feminina, seguindo-se a prova individual de sub-23 masculinos. As duas corridas serão feitas num traçado de 24,6 quilómetros. Pouco depois das 13h30 sai para a estrada o primeiro corredor masculino de elite. A prova desta categoria terá 32,3 quilómetros. Todos os contrarrelógios vão ligar o Centro de Estágios de Melgaço à Câmara Municipal.

Campeonatos Nacionais de Ciclismo de Estrada 2019 melgaçoSábado, 29 de junho, é o dia escolhido para as primeiras provas de fundo. Às 10h00 será dado o tiro de partida para a corrida feminina. As corredoras de elite irão percorrer 88,6 quilómetros, terminando à quarta passagem pela meta, mais uma volta do que as juniores que vão pedalar durante 66,1 quilómetros e mais duas do que as cadetes e as masters que terão de enfrentar 43,6 mil metros. Os sub-23 masculinos também lutam pelo título de fundo no sábado, a partir das 14h30. O percurso dos jovens corredores terá um total de 144,4 quilómetros. Estas duas provas começam e terminam na Câmara Municipal de Melgaço.

A corrida mais esperada é a prova de fundo para elite, marcada para as 11h00 de domingo, 30 de junho. A partida será em Castro Laboreiro e a chegada na Câmara de Melgaço, à oitava passagem pela meta, depois de percorridos 181 quilómetros.

As provas de fundo vão desenrolar-se num circuito exigente, rompe-pernas, com pouco terreno verdadeiramente plano. A meta está instalada no topo de uma rampa de um quilómetro com inclinação média de 8,5 por cento, destacando-se os 500 metros finais, em empedrado, e com uma pendente de 11 por cento.

A prova de elite e a de sub-23 guardam um ingrediente especial. Uma subida de 3 quilómetros com inclinação média de 4 por cento, que será apenas transposta na última volta, apimentando ainda mais a discussão pelas camisolas de campeão nacional.

A opinião dos protagonistas

“Os Campeonatos Nacionais são o objetivo de qualquer atleta. Poder vestir a bandeira portuguesa ao peito durante toda uma época é um orgulho enorme. No meu caso, a correr no estrangeiro, as equipas dão imenso valor a um campeão nacional e acaba por dar também mais alguma visibilidade ao ciclismo feminino português. A corrida de fundo antevê-se realmente dura, pelo percurso e pelo calor que costuma estar nesta altura do ano. O contrarrelógio parece me mais acessível do que no ano passado, mas não deixa de ser bastante duro para o que o pelotão feminino está habituado”.

Daniela Reis, campeã nacional de fundo e de contrarrelógio de elite em 2018

“Acredito que será uma corrida dura e bem disputada. O nível no Nacional é sempre muito alto. A corrida é sempre muito aberta e o fator sorte/oportunidade é muito importante. Estar no sítio certo a hora certa é meio caminho andado para a vitória. Lutar pela vitória é algo muito importante para mim, uma vez que significa representar o nosso país e a nossa bandeira lá fora, dando visibilidade às cores nacionais”.

João Almeida, vice-campeão nacional de fundo e de contrarrelógio de sub-23 em 2018

Deixar uma resposta