O espanhol Enrique Sanz (Euskadi-Murias) manteve hoje o pleno de vitórias na Volta ao Alentejo em bicicleta, ao triunfar na segunda etapa, mantendo a camisola amarela vestida.

© Podium / Paulo Maria

Após o triunfo na véspera, em Moura, Sanz voltou a ser o mais forte na chegada ao ‘sprint’, novamente antecedido por uma subida na aproximação à meta, cumprindo em 4:07.02 horas os 182,8 quilómetros entre Mértola e Odemira.

Os compatriotas Raul Alarcón (W52-FC Porto) e Vicente García de Mateos (Aviludo-Louletano) ainda tentaram impedir novo triunfo do basco, mas não o conseguiram, numa etapa corrida a altíssima velocidade (44,399 km/h).

© Podium / Paulo Maria

“Mais uma vitória. A equipa trabalhou bem, o Raul [Alarcón] tentou e pensei que não conseguia ganhar”, assumiu Sanz, que somou o terceiro triunfo em Portugal – apenas tem mais um como profissional.

© Podium / Paulo Maria

Apesar da segunda vitória em dois dias, Sanz admite que será difícil lutar pela vitória final, mas que tem companheiros de equipa que o podem fazer.

© Podium / Paulo Maria

Na classificação geral, definida pelos pontos, uma vez que os primeiros classificados têm todos o mesmo tempo, Sanz manteve os dois companheiros de pódio, embora Vicente García de Mateos tenha ultrapassado o português Luís Mendonça (Rádio Popular-Boavista), vencedor da ‘Alentejana’ em 2018 e que agora é terceiro.

© Podium / Paulo Maria

Depois de a Euskadi-Murias ter trabalhado quase toda a etapa, controlando sempre a fuga do dia, a W52-FC Porto pegou na corrida nos quilómetros finais e Alarcón ainda entrou na reta da meta na primeira posição, mas acabou por ser ultrapassado.

“A equipa trabalhou bem nos últimos quilómetros, entrámos fortes na subida e demos tudo. No fim, ganhou o Enrique Sanz, que foi o mais forte, e tenho de lhe dar os parabéns”, disse o vencedor das duas últimas edições da Volta a Portugal, que garante estar em “boa condição física” para lutar pelo triunfo na ‘Alentejana’.

© Podium / Paulo Maria

Ao contrário da véspera, em que a fuga chegou a ter mais de sete minutos de avanço, os fugitivos do dia estiveram sempre controlados e a maior vantagem que conseguiram foi de cerca de três minutos.

Já no Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina, perto de Vila Nova de Milfontes, a menos de 30 quilómetros da meta, o espanhol Ibai Azurmendi (Euskadi), o suíço Cyrille Thiery (SRA) e o norte-americano Timothy Rugg (Bai-Sicasal-Petro Luanda) foram alcançados pelo pelotão, depois de mais de 120 quilómetros em fuga.

© Podium / Paulo Maria

A subida final, na aproximação à meta, acabou por causar alguns cortes no pelotão, com os portugueses Henrique Casimiro (Efapel) e Tiago Machado (Sporting-Tavira), entre outros, a serem afetados e a perderem 24 e 33 segundos, respetivamente, que os poderão afastar da discussão da prova.

© Podium / Paulo Maria

Na sexta-feira, corre-se a terceira etapa, entre Mértola e Odemira, num percurso de 176,5 quilómetros, que terá duas contagens de montanha de quarta categoria, mas que deverá voltar a ser disputada ao ‘sprint’ pelo pelotão.

Declarações após a segunda etapa da Volta ao Alentejo em bicicleta, que se disputou hoje entre Mértola e Odemira (182,8 quilómetros):

© Podium / Paulo Maria

Enrique Sanz, Esp, Euskadi-Murias (vencedor da etapa e camisola amarela): “Mais uma vitória. A equipa trabalhou bem, o Raul [Alarcón] tentou e pensei que não conseguia ganhar.

Para a vitória final, é complicado, mas temos outros corredores que podem lutar.

Se tivesse bonificações era bom. Mas é o que é.

Agora é dia a dia, etapa a etapa, vamos a ver o que dá. Vamos a ver se podemos ganhar outra vez [amanhã]”.

Raul Alarcón, Esp, W52-FC Porto (segundo classificado na etapa): “A equipa trabalhou bem nos últimos quilómetros. Entrámos fortes na subida e demos tudo. No fim, ganhou o Enrique Sanz, que foi o mais forte, e tenho de lhe dar os parabéns.

Estou bem, venho com uma boa condição física e vamos tentar vencer esta Volta ao Alentejo”.

© Podium / Paulo Maria

Classificação da segunda etapa:

1. Enrique Sanz, Esp (Euskadi-Murias), 4:07.02 horas (média: 44,399 km/h)
2. Raul Alarcón, Esp (W52-FC Porto), m.t.
3. Vicente García de Mateos, Esp (Aviludo-Louletano), m.t.
4. Gabriel Cullaigh, GB (Team Wiggins), m.t.
5. Luís Mendonça, Por (Aviludo-Louletano), m.t.
6. Sergio Higuita, Col (Euskadi), m.t.
7. Tobias Foss, Nor (Uno X), m.t.
8. João Rodrigues, Por (W52-FC Porto), m.t.
9. Cyril Barthe, Fra (Euskadi-Murias), m.t.
10. Luís Gomes, Por (Rádio Popular-Boavista), m.t.

© Podium / Paulo Maria

Classificação geral:

1. Enrique Sanz, Esp (Euskadi-Murias), 9:13.45 horas  2. Vicente García de Mateos, Esp (Aviludo-Louletano), m.t.
3. Luís Mendonça, Por (Aviludo-Louletano), m.t.
4. Gabriel Cullaigh, GB (Team Wiggins), m.t.
5. Sergio Higuita, Col (Euskadi), m.t.
6. Cyril Barthe, Fra (Euskadi-Murias), m.t.
7. Raul Alarcón, Esp (W52-FC Porto), m.t.
8. Tobias Foss, Nor (Uno X), m.t.
9. Luís Gomes, Por (Rádio Popular-Boavista), m.t.
10. Rhys Britton, GB (Sub-23 Grã-Bretanha), m.t.

Deixar uma resposta