O adiamento da 82.ª edição da Volta a Portugal foi um “rude golpe” que afetou “de forma desprevenida” um pelotão “completamente desiludido”, lamentou o diretor desportivo da Kelly-InOutbuild-UDO.

Kelly-InOutbuild-UDO “apanhada desprevenida” com “rude golpe” o adiamento da Volta a Portugal“Não estava nada à espera deste desfecho, depois da luta que tivemos para conseguir a aprovação e quando a maioria já estava a fazer estágios em altitude. Espero, e quero acreditar, que seja só um adiamento. Se for algo mais do que isso, o ciclismo profissional português está hipotecado”, reconheceu Manuel Correia.

A principal prova velocipédica lusa, prevista de 29 de julho a 09 de agosto, foi adiada para data a determinar ainda em 2020, devido à pandemia de covid-19, numa decisão conjunta da organizadora Podium Events e da Federação Portuguesa de Ciclismo.

A Volta a Portugal tinha recebido ‘luz verde’ da Direção-Geral da Saúde e do Governo na segunda-feira, atendendo às orientações para a retoma de competições ao ar livre de modalidades individuais e à aprovação de um plano sanitário, mas assistiu à renúncia das Câmaras Municipais de Viana do Castelo e Viseu em acolherem a passagem da corrida.

“Lamento a forma como soubemos da notícia. Os diretores desportivos são sempre os últimos a saber e também somos parte interessada como os ciclistas. Esta tarde reunimos com a federação por via digital e parecia que estávamos num funeral. É uma situação muito complicada, pois já estávamos mentalizados que íamos ter a Volta”, criticou.

Desconhecendo “até quando conseguirá aguentar financeiramente” a estrutura do emblema de Oliveira de Azeméis, Manuel Correia apela à realização do evento “em setembro ou outubro”, esperando que “as pessoas tenham noção de que está em causa uma classe importante”, que extravasa o ciclismo profissional.

“Temos de olhar para toda a envolvente, desde a formação ao negócio das bicicletas, que já é uma parte importante do nosso PIB [Produto Interno Bruto]. Ninguém tem culpa disto, nem de algumas autarquias terem sido relutantes, mas é muito grave que Viana tenha dito aquilo quando nem sequer estava divulgado o percurso da Volta”, apontou.

O calendário velocipédico está suspenso desde meados de março, devido à pandemia de covid-19, e deverá ser retomado em 05 de julho, com uma prova de reabertura em Anadia.