Giant Anthem Advanced Pro 29er 1

516

Desta feita chegou-nos para testes, através da loja/oficina de bicicletas Ultrapedal, a mais recente “arma” de XC da Giant, a Anthem, neste caso a série Advanced PRO 1.

A primeira coisa a saltar à vista, além da estética, foi a sua rigidez e o seu peso (11.1 kg com pedais e grade de bidon), em grande parte devido à construção do seu quadro completamente em carbono Advanced Grade da Giant, bem como às suas rodas Giant XCR 1 29 com aros de 27mm em carbono, tubeless e com tecnologia Boost que permitem colocar pneus mais largos sem comprometer a rigidez.

Em relação ao sistema de suspensão, este modelo vem equipado na frente com uma Fox 32 Float SC Performance Elite de 100mmm de curso e um amortecedor Fox Float Performance Elite de 90mm de curso. Este conjunto, aliado à tecnologia Maestro, que faz a ligação entre os triângulos traseiro e frontal e o amortecedor, utilizando quatro pontos de rotação estrategicamente colocados e dois pontos de ligação, para criar um ponto de rotação flutuante único, torna todo o sistema mais eficiente e responsivo.

Com isto, e apesar dos seus apenas 90mm de curso na traseira, sentimos que a Giant Anthem está em constante contacto com o piso, proporcionando uma confiança fenomenal, mesmo em situações mais difíceis. Só temos que alinhar a direção para onde queremos e o resto “é com ela”, ultrapassando as irregularidades e obstáculos que lhe aparecem pela frente com imensa facilidade e sem comprometer o conforto e segurança do ciclista.

A adaptação à bicicleta e à sua condução, foi fácil e quase imediata, uma vez que a sua geometria está 100% direcionada para Cross Country, apresentando 73.5° de ângulo do tubo vertical e 69° na testa, permitindo uma boa distribuição do peso e do centro de gravidade na bicicleta. Neste aspeto, deparámo-nos com o segundo dos pontos menos bons da bicicleta (já iremos falar do primeiro mais à frente).

Apesar da Giant Anthem proporcionar um centro de gravidade mais próximo do chão e com isto mais aderência, notámos que os cranks ficam mais sujeitos aos impactos com os obstáculos que vamos transpor, mais quando temos que pedalar para o fazer, uma vez que por exemplo a descer, os pedais vao na posição horizontal. Isto levou-nos a despender mais atenção à posição da pedalada nas subidas mais técnicas.

O primeiro ponto menos bom a apontar, sentimo-lo na primeira vez que precisámos de recorrer aos travões com mais alguma exigência. A Giant Anthem vem equipada com os SRAM Level TL, com discos de 180mm na frente e 160mm atrás. Estes travões não nos transmitiram confiança em alturas de maior necessidade, tendo um tacto muito “esponjoso” e havendo a necessidade de fazer alguma força nas alavancas altura em que estas rangem ao travar.

A transmissão essa, ficou a cargo do grupo SRAM GX Eagle, um grupo com provas dadas e com um funcionamento de topo, sem nada a apontar. A sua cassete 10×50 de 12 velocidades, permite ter mais velocidade de ponta, sem ter que pedalar com cadências elevadas, mas ao mesmo tempo ter a desmultiplicação necessária para enfrentar as subidas mais íngremes.

A utilização de tecnologias de moldagem de alta pressão para fabricar os seus componentes de carbono, tornando-os mais leves, duradouros e rígidos, a juntar à área da caixa do movimento pedaleiro e escora inferior sobredimensionada e às escoras assimétricas, dão à Anthem mais rigidez no lado da transmissão e estabilidade no lado oposto.

O sistema de suspensão tem ainda aliado, o seu controlo remoto, bastante intuitivo e fácil de utilizar, que permite com um só movimento, bloquear/desbloquear de uma só vez a suspensão e amortecedor. Com estes bloqueados, a Anthem comportou-se como uma autêntica bicicleta de XC rígida ao pedalar de pé ou a subir, muito responsiva e rápida e com eles desbloqueados, um verdadeiro bulldozer, levando tudo pela frente e ultrapassando todos os obstáculos com a maior facilidade.

A sua construção em carbono, aliada ao seu sistema de suspensão e ao seu espigão de 27.2mm tornam a Giant Anthem uma bicicleta extremamente confortável, perfeitamente capaz de enfrentar maratonas ou provas por etapas.

A nível de estética a única coisa a apontar a nosso ver, é o guiador sobre-elevado de 780mm, sendo que um guiador reto e ligeiramente menor assenta melhor no conceito Cross Country.

Video do teste:

Mais info em giant-bicycles.com.

DEIXE UMA RESPOSTA

Escreva o seu comentário
Escreva o seu nome