A Federação Portuguesa de Ciclismo (FPC) prevê uma retoma da competição profissional a 10 de abril, indicando que o calendário de estrada está “numa fase mais adiantada de renovação”.

“Atendendo à importância desportiva, mas também social e económica, do ciclismo profissional de estrada, o respetivo calendário está numa fase mais adiantada de renovação, embora esteja dependente da mobilização dos diferentes parceiros que colaboram com os organizadores, prevendo-se a retoma de competição profissional para o dia 10 de abril”, pode ler-se em nota publicada no sítio oficial da entidade na Internet.

PUB

O pelotão luso deveria ter ido para a estrada na Volta ao Algarve, inicialmente agendada para entre 17 e 21 de fevereiro, mas que foi adiada devido à pandemia de covid-19.

De acordo com o plano de atividades da FPC, publicado em 15 de dezembro, antes de o número crescente de casos de covid-19 em Portugal ter motivado um novo confinamento, nas próximas semanas deveriam correr-se a Prova de Abertura (07 de março), a Clássica da Arrábida (14 de março), a Volta ao Alentejo (17 a 21 de março) – a primeira prova a ser cancelada – e a Clássica da Primavera (28 de março).

A Federação Portuguesa de Ciclismo lembra que, neste momento, “apenas estão autorizadas pelas entidades oficiais competições exclusivamente de categoria absoluta (elite/profissionais), mas com restrições, necessidade de cumprimento de normas sanitárias decorrentes da situação pandémica e ausência de público”.

“Esta circunstância afeta diretamente a maioria dos eventos de ciclismo. Desde logo, impede a realização de encontros de escolas, provas de estrada de camadas jovens e provas de massas ou de masters. Por outro lado, as competições de estrada femininas, as corridas de BMX e de todas as disciplinas de BTT juntam todas as categorias, não sendo possível a sua realização no formato habitual no atual contexto”, nota a FPC.

A FPC diz ainda estar a trabalhar na “reorganização dos calendários desportivos amadores (de escolas a sub-23 e masters) para que a atividade possa ser retomada logo que os decretos do estado de emergência o permitam”.

Deixar uma resposta