A marca italiana Giessegi (GSG) nasceu em 1984, graças à experiência de Simone Fraccaro, ciclista profissional de estrada e pista entre 1974 e 1984.

A empresa que tem, mais de trinta anos de experiência em vestuário técnico para o ciclismo nos níveis mais altos. A GSG sempre prestou a máxima atenção às necessidades deste desporto, concentrando-se no desenho e conceção de produtos de confiança e elevada qualidade.

PUB

A gestão interna da produção, desde a compra das matérias-primas e dos acessórios até à confecção final da peça, visam garantir o controlo da qualidade e eficiência de cada etapa no processamento. A elevada confiança depositada na roupa da Giessegi também é garantida pelos inúmeros testes realizados por ciclistas profissionais.

A linha de roupas Giessegi é vasta, completa e capaz de se adaptar às múltiplas necessidades dos clientes sem negligenciar a inovação e a confiança técnica e estética, para um melhor desempenho atlético de quem pratica este desporto a todos os níveis. E sempre 100% Made in Italy.

Com a aproximação do inverno e consequente tempo frio, a GSG apresenta aos ciclistas, dentro da sua coleção Inverno 2018/2019 para homem, a gama PRO.

No BTT Lobo tivemos a oportunidade de colocar as mãos, ou melhor, o corpo todo nesta gama e sentir na primeira pessoa a qualidade italiana que a GSG nos coloca à disposição.

 

Começando da cintura para cima, a gama para homem PRO da GSG apresenta a Robaix Pro, uma jersey de manga comprida, para ser usada como peça de vestuário para o meio da temporada.

A jersey é fabricada em tecido Roubaix, um material elástico, leve e respirável, com um desenho anatómico de excelência.

O interior cardado, torna a Roubaix Pro confortável e quente.

Nas costas, a jersey conta com 3 bolsos e com elementos refletores no elástico da sua parte inferior, bem como um fecho com travamento automático para facilitar a sua abertura e o fecho.

Quando o vento marca presença ou a chuva ameaça, a GSG apresenta o Flandres Pro, um colete contravento, impermeável e que repele a água.

Nas costas, o Flandres Pro apresenta no seu fundo uma banda elástica com elementos refletores, para melhorar a segurança nas voltas com menos luminosidade e um bolso com fecho para guardar os seus artigos em segurança.

À imagem do Roubaix, o Flandres também possui fecho com travamento automático.

Passando para os membros, nomeadamente para as mãos, que tanto sofrem com o vento frio, a GSG também dispõe de várias opções.

No BTT Lobo, tivemos a hipótese de testar as luvas Glacier Racing Granfondo Pro, umas luvas em tecido de lã bio-elástico, com aplicações em silicone nas palmas para uma melhor aderência.

Estas são umas luvas que mesmo tendo uma boa resistência ao frio, são finas e leves, o que as torna muito confortáveis. Quase não se dá por elas.

Como não podia deixar de ser, a Giessegi conta também com uma boa oferta em relação a calças, como é o caso das Shaped Pro.

Umas calças anatómicas cardadas, com alças. As alças são elásticas e cortadas a laser, para um maior ajuste ao corpo e maior conforto, com uma cor fluorescente no seu interior.

Para aumentar também o conforto e segurança, as costuras são planas e as calças possuem várias inserções de cores refletivas, tanto nos joelhos como na zona dos gémeos.

No fundo das pernas as Shaped Pro possuem também umas alças para passar por baixo do pé e evitar que estas subam. A sua carneira, é também muito confortável.

Este é um conjunto muito bom para aqueles dias de outono/inverno frescos, com pouca ou nenhuma chuva.

Apenas com este conjunto e uma camisola técnica interior de mangas cavas, foi perfeitamente possível suportar temperaturas de 09°/10°, sem haver necessidade de recorrer a mais roupa.

É bonito e confortável, assentando muito bem no corpo, sem nos sentirmos apertados ou cheios de roupa. É um conjunto leve, mas muito capaz de enfrentar uma volta de bicicleta, num dia mais frio.

Os únicos senão, são a questão de ser um equipamento que apesar de possuir aplicações reflectoras, é um pouco escuro para alturas de menos luminosidade e o preço, que apesar de não ser dos mais elevados, nem o acharmos excessivo para a qualidade dos equipamentos, pode-se tornar proibitivo para alguns bolsos.

Mais informação pode ser consultada em www.giessegi.com.

Deixar uma resposta