Felipe Mendez (Colômbia) e Gabriel Raff (Argentina) tiveram testes positivos de doping com EPO nos controlos fora da competição conduzidos no GFNY 2019 em Nova Iorque, realizado a 19 de maio.

Dois controlos positivos de doping com EPO no GFNY de Nova IorqueDurante o controlo, Mendez tentou fazer-se passar pelo seu irmão gémeo, que também estava registado na corrida, mas não competiu. Então, na manhã da corrida, Mendez apareceu no início da prova com uma pulseira “partida”, com o que parece ser uma tentativa de esconder sua identidade. Mendez terminou em 71º em 4:51:39.

Raff terminou a corrida em 25º lugar em 4:31:10. Este concorrente tem um historial no Triatlo na categoria de Ironman profissional, com um recorde pessoal de 8:40:27.

Ambos os ciclistas foram desclassificados do Campeonato do Mundo Campagnolo GFNY e recebem uma suspensão vitalícia de todos os eventos GFNY (Regra 9.3).

Dois controlos positivos de doping com EPO no GFNY de Nova IorqueAmbos estavam entre os vários atletas selecionados aleatoriamente de um grupo de 60, que continha ciclistas com uma possibilidade legítima de ficar entre os 10 melhores na geral ou inclusivamente ganhar na categoria da sua faixa etária.

Estes são o sexto e o sétimo controlos positivos de doping nos nove anos de história da GFNY NYC.

GFNY é uma competição que está incluída na Global Cycling Marathon Series. As corridas GFNY são abertas a profissionais e amadores como os eventos de corrida e triatlo, onde todos os concorrentes largam simultaneamente, assumem o mesmo percurso, ao mesmo tempo e são cronometrados com chip desde o inicio ao fim.

“É simples: Não é possível apanhar batoteiros sem controlos de doping”, diz Uli Fluhme, CEO da GFNY. “Estes resultados mostram que o teste é necessário e que funciona. Infelizmente, a maioria das corridas com participação em massa ainda não tem qualquer tipo de teste, o que envia um sinal claro, mas terrivelmente preocupante: O doping é permitido aqui “.

Dois controlos positivos de doping com EPO no GFNY de Nova Iorque“Nós não permitimos atalhos nos percursos das nossas corridas, então por que iríamos olhar para o outro lado quando se trata de doping? Os ciclistas da GFNY treinam duro para corridas. Eles merecem uma competição justa. Devemos-lhes os controlos de doping, mesmo que os custos sejam agora mais de US $ 15.000 por ano. Não testar os atletas é uma decisão egoísta e economicista de um diretor de corrida. Ele obriga a que todos usem drogas para tentar nivelar a competição.”

Regras de Controlo de Doping no GFNY

Dois controlos positivos de doping com EPO no GFNY de Nova IorqueA GFNY estabeleceu controlos de doping em 2012 e é o primeiro evento aberto a amadores que também institui testes fora da competição. Em 2012, David Anthony (NYC) e Gabriele Guarini (Itália) testaram positivo no teste de EPO, depois de vencer suas respectivas categorias etárias. Em 2015, o primeiro lugar da geral, Oscar Tovar (Colômbia), e Yamile Lugo (Colômbia), que ficou em terceiro na prova feminina, ambos testaram positivo nos testes de testosterona. Em 2017, Manuel Serrano Plowells (México) testou positivo em EPO durante um controlo OOC.

Além de uma proibição vitalícia para os que testam positivo em substancias proibidas, nas corridas GFNY, as regras da corrida também estabelecem que os ciclistas com testes positivos tenham de reembolsar a organização do custo do teste. Além disso, o ciclista deve reembolsar a GFNY por quaisquer danos à sua imagem que possam suceder na consequência do controlo positivo. Se o ciclista faz parte de uma equipa participante da GFNY, a equipe pode ser responsabilizada por este dano [regras GFNY].

Dois controlos positivos de doping com EPO no GFNY de Nova IorqueUm ciclista que, atualmente, seja banido pela WADA da competição não pode participar em nenhum evento da GFNY. Após cumprir o afastamento, ele / ela tem permissão para participar, mas tem que começar na parte de trás do pelotão, sem o chip de cronometragem e não fará parte da tabela classificativa. Isso permite a reintegração social, apesar de uma proibição vitalícia de competir no GFNY. Vários ciclistas participaram no GFNY ao longo dos anos, dessa forma.

Verificação de motores nas bicicletas

Desde 2015, a GFNY também verifica aleatoriamente as bicicletas para verificar a existência de motores. A tecnologia atual permite integrar invisivelmente motores no chassi que produzem até 250 Watts durante 30 minutos, o que aumenta a produção de um ciclista em mais de 50%. Motores com tecnologia de ponta, quase do tamanho de uma ameixa, podem ser integrados no cubo para criar até 50 Watts por alguns segundos: o suficiente para garantir uma acção que permita chegar à vitória na corrida.

Dois controlos positivos de doping com EPO no GFNY de Nova IorqueAs melhores bicicletas dos corredores masculinos e femininos foram inspecionadas na linha de chegada do Campeonato do Mundo Campagnolo GFNY 2019, num parque fechado. Nenhum motor foi encontrado.

O foco principal continua a ser uma ótima experiência para todos os ciclistas.

“Uma atividade desportiva competitiva é importante para nós, e é por isso que a levamos a sério”, acrescenta Lidia Fluhme, Presidente da GFNY. “Dito isto, o nosso principal foco continua a ser proporcionar uma experiência superior a todos os participantes do GFNY, especialmente aqueles para os quais é objetivo de vida fazer o melhor possível num percurso desafiante. Uma corrida para corredores de elite tem apoio policial de apenas 15 minutos de roda livre. No entanto, no GFNY, garantimos horas de fecho de transito e direito de passagem para qualquer um que aceite o desafio e dá a todos os participantes da GFNY a possibilidade de serem profissionais por um dia. “

Deixar uma resposta