No momento em que a 4ª edição da corrida The Munga Mountain Bike se aproxima do fim, mais de 100 “Mungrals” são premiados com medalhas feitas à mão por completarem a jornada de 1074 km que liga Bloemfontein a Doolhof Wine Estate fora de Wellington, próximo da Cidade do Cabo.

Com 133 participantes, a corrida foi novamente uma celebração de força, tenacidade e resiliência para atletas desde o corredor profissional de BTT, administrativos e trabalhadores de empresas, tal como empresários, pessoas de todas as esferas da sociedade. Três pares mistos também aceitaram este desafio que espelha bem muitas facetas da vida do dia a dia.

No final da corrida, a categoria de masculinos foi decidida com um novo record de 50 horas e 30 minutos quando o holandês Ramses Bekkenk bateu os sul africanos Heinrich Visser e Chris van Zyl. Condições meteorológicas quase perfeitas permitiram que estes três atletas batessem o anterior record de 2017, de Marco Martins.

Martins esteve na disputa na maior parte da corrida, mas desistiu devido a doença em Sutherland, com cerca de 800km percorridos, quando ocupava o segundo posto.

A corrida feminina foi dominada por Janine Stewart, veterana nesta competição, ao bater Elaine Beytel e Sarah van Heerden. Depois de quase desistir ao quilometro 200 na sequência de uma queda, decidiu continuar “para perceber como se sentia” e só voltou a parar na linha de meta. Van Heerden, com 55 anos, completou a sua segunda corrida de Munga, provando que a idade não é obstáculo em corridas de ultra endurance.

Esta é uma corrida muito virada para corredores em desenvolvimento, desde o seu início, de igual forma, permitindo que outros atletas tenham a oportunidade de mudar suas vidas. Sithembiso Masango registou sua 3ª vitória consecutiva nesta categoria. Uma prova da importância desta categoria reside no fato de que as vitórias nos dois anos anteriores lhe permitiram comprar um carro e construir uma casa para sua família.

Os organizadores tiveram o prazer de premiar as 108 medalhas de finalistas, com o último corredor a cruzar a meta às 11h52 – apenas 8 minutos à frente do cut-off, em condições de tempo frio e húmido. Nina Long teve a honra de fechar a corrida e foi realmente uma emoção ter a vencedora que terminou quase 70 horas à frente dela, entregar-lhe a medalha de finalista.

Documentário da Munga MTB 2018:

As inscrições para a corrida de 2019 abriram em themunga.com ao mesmo tempo em que a edição de 2018 terminou.

Deixar uma resposta