Dinamarquês Michael Valgren vence Amstel Gold Race

23

O dinamarquês Michael Valgren (Astana) surpreendeu hoje os favoritos e venceu a clássica velocipédica Amstel Gold Race, impondo-se no final dos 263 quilómetros entre Maastricht e Valkenburgo, na Holanda.

© Bettini Photo

Dois portugueses concluíram corrida, com Rui Costa (UAE Team Emirates) a ser o melhor, em 27.º, enquanto Rúben Guerreiro (Trek-Segafredo) foi o 55.º a passar na meta.

Valgren, de 26 anos, tornou-se o segundo dinamarquês a vencer a prova, depois do triunfo de Bjarne Riis em 1997, levando a bom termo um duplo ataque na parte final da corrida, o último dos quais a 2,2 quilómetros da meta.

© Bettini Photo

Com este arranque, Valgren, que tinha sido segundo na prova em 2016, atrás do italiano Enrico Gasparotto, hoje terceiro, destacou-se dos principais candidatos ao triunfo final e levou apenas o checo Roman Kreuziger (Mitchelton-Scott), batendo-o na reta final.

© Bettini Photo

O vencedor gastou 6:40.07 horas para fechar a corrida, com Kreuziger a ser cronometrado com o mesmo tempo. A dois segundos chegou Gasparotto, da Bahrain-Merida, e a 19 o eslovaco Peter Sagan (Bora-Hansgrohe), à frente do espanhol Alejandro Valverde (Movistar), quinto.

© Bettini Photo

Sagan, tricampeão do mundo, seguiu a estratégia vitoriosa de domingo passado no Paris-Roubaix, mas não conseguiu melhor no final do que liderar o primeiro grupo perseguidor, em que estavam também, além de Valverde (um dos grandes animadores da prova), o belga Tim Weelens (Lotto) e o francês Julian Alaphilippe (Quick-Step).

© Bettini Photo

“A equipa contava comigo. Na fuga, tive a ajuda do Jakob Fuglsang, que esteve muito forte, e, depois desse esforço todo, tive de vencer”, afirmou no final Valgren, que já tinha vencido em fevereiro a clássica belga Het Nieuwsblad.

© Bettini Photo

A corrida, com 35 subidas no ‘programa’, foi especialmente seletiva e o pelotão inicial acabou bastante fragmentado, com vários pequenos grupos ou corredores a entrarem isolados na meta instalada em Valkenburgo.

Rui Costa, que nunca esteve na discussão da corrida, chegou num desses pequenos grupos, de 13 unidades, em que estavam também, entre outros, o polaco Michal Kwiatkowski (Sky), que fora segundo no ano passado, e ainda o italiano Vicenzo Nibali (Bahrain-Merida) e o australiano Michael Matthews (Sunweb). A distância para os primeiros ficou em 2.11 minutos.

Rúben Guerreiro entrou no pelotão dos que se limitaram a concluir a corrida, atrasado 3.26 minutos.

Terminaram 96 corredores e desistiram 79.

© Bettini Photo

Na prova feminina, a holandesa Chantal Blaak (Boels-Dolmans), campeã do mundo em título, impôs-se ao ‘sprint’ à compatriota Lucinda Brand (Sunweb) e à australiana Amanda Spratt (Mitchelton-Scott), suas companheiras de fuga, numa prova em que a portuguesa Daniela Reis (Doltcini-Van Eyck Sport) acabou por desistir.

DEIXE UMA RESPOSTA

Escreva o seu comentário
Escreva o seu nome