Por muita vontade que tenha em agarrar na sua nova BTT e ir para os montes rasgar trilhos, seja prudente e paciente.

Comece com percurso fáceis e não muito longos. Vá aumentando de dificuldade da mesmo forma que vai ganhando confiança.

O corpo precisa de tempo e prática para se habituar aos andamentos do BTT. Seja paciente. Quando for para sítios mais isolados, nunca vá sozinho. Não se esqueça de lavar uma câmara de ar suplente, a bomba de ar e um pequeno kit de ferramentas essenciais.

Bicicleta:

Deves ter uma bicicleta adequada à utilização que lhe pretendes dar, existem várias opções mas as mais usuais são as HT ou Rígida e a FS ou Suspensão Total. A Rigida é por norma a Bicicleta mais económica e a mais competitiva, já a de suspensão total se for bem equipada é sempre mais cara mas é a que lhe proporcionará melhor conforto.

Ter sempre atenção ás medidas da Bicicleta, pois tamanhos desadequados podem causar lesões. Nunca esquecer que é a Bicicleta que se deve ajustar ao Ciclista e nunca o contrário.

Capacete:

Nunca andes sem capacete. Pode salvar-te a vida. Muitos ciclistas já caíram e ficaram com o capacete completamente partido e levantaram-se com um sorriso de orelha a orelha. Os capacetes são tão leves que até nos esquecemos que os temos colocados.

São bem ventilados, seguros e muito atraentes, dando um visual muito racing e inconfundível a quem os trás. Tal como as bicicletas os capacetes têm medidas para melhor se ajustarem ao ciclista.

Óculos:

Os óculos estão para os olhos como o capacete para a cabeça. Não servem apenas para proteger dos raios ultra violetas, mas também dos insectos, ramos, pó, pedras e vento.

Luvas:

As luvas protegem as mãos não só do frio, mas também das quedas e das vibrações do guiador.

Sapatos:

Podes usar sapatos de encaixe, para melhorar a tua performance, mas se usares pedais de plataforma, deves utilizar sapatos próprios, com sola rija para melhorar o rendimento da pedalada. Evite sapatos com atacadores que podem prender-se nas cremalheiras ou pedais.

Calções:

Os calções de ciclista são fundamentais para passar longas horas em cima da bicicleta. Se não gosta da de calções de lycra pode encontrar calções com aspecto mais tradicional, mas com o indispensável reforço acolchoado para evitar dores na zona das virilhas.

Neste campo nunca poupe na qualidade.

Camisola:

As camisolas de ciclista, feitas em tecido especial são garantia de conforto, quer ande sob sol, calor, frio, chuva ou vento. O seu tecido funciona como uma segunda pele, libertando o suor, mantêm-nos secos e quentes.

Para além disso são muito resistentes, protegendo-nos em caso de queda, e não rasgam quando ficamos presos em ramos de árvores ou silvas. Evite andar com T-Shirts de algodão no verão ou camisolas de lã no Inverno.

1 COMENTÁRIO

  1. dicas sempre boas para quem e iniciante, para quem dar o salto, para niveis mais dificeis que ja exigem um kit de sobrevivencia, kit de proteccoes, algum tipo de mochila ou bolsa para levar mantimentos, gps tracker e beacon pois ja comecam a ser voltas maiores e por vezes sozinho, convem mesmo ter preparacao para dar o salto. a aventura e adrenalina, para alem da diversao estao garantidas. (all-mountain, enduro, freeride)
    mas, os iniciantes, que ainda dao pequenas voltas e ainda estao se ambientar na pratica do btt, na modalidade mais simples que e o cross country, ja e um excelente comeco estas dicas, mas, de salientar que, como toda a gente, vai cair em alguma ocasiao e entao o simples kit de primeiros socorros para o ciclista e igualmente importante para alem do kit de primeiros socorros da bicicleta, que, contem a indispensavel bomba, kit remendos,(camara e pneu) camara de ar(e respetivos desmontas, preferencia metalicos que os de plastico costumam partir caso se tratem de pneus de talao de arame) e pelo menos um multitool COM quebra-corrente. ja nem peco abracadeiras, fita isoladora ou silvertape do tipo gorilla, ou links ou o diabo a 4 para nao complicar as coisas, mas um dia ate pode fazer falta porque o diabo e tendeiro e um dia partem 1 peca da transmissao e bem que vao pedir para vir buscar de carro que nao teem as ditas coisas.
    mas fica para outro episodios.
    ja o equipamento, nao existe tecido indestrutivel entao se espetar-se no chao ha uma grande chance de para alem de ralar-se, tambem os calcoes e jersey rasgarem-se, mesmo sendo os de topo. nao ha mal nisso, e mesmo assim.
    a diferenca dos tipo lycra(digo tipo lycra porque sao os coladinhos ao corpo) e os largos, e a forma como ventilam o corpo.(principalmente)
    1 questao de experimentar e escolher o mais confortavel, olha, para mim os largos sao excelentes, ventilam bem, mantem-me fresca e nao assa a pele, ficando camarao, nem fico com o distinto bronzeado de ciclista.
    apostem nos coladinhos de tecidos tecnicos que, apesar de serem bastante caros, ja previne alguns problemas que podem ainda serem encontrados nos muito baratos por ainda terem muita lycra na composicao, as tais assaduras e as queimaduras, para alem do suor ficar colado no corpo promovendo a hipotermia ou hipertermia, entre outros, isto e, se gostam muito de andarem “coladinhos” LOL.
    escusado sera dizer que o selim apropriado ao rabiote e indispensavel e para alem de um bem feito bikefit, para prevenir futuras lesoes e problemas ergonomicos, um chamois ou acolchoado sim, e importante e saber cuidar dele tambem. um creme e o companheiro de eleicao e nao deve ser descurado, e claro, a roupa interior nao deve ser usada, a nao ser que seja sem costuras para retirar ja a friccao.
    o capacete, nao vao pelo barato, ja que dao o credito por uma bicicleta, incluam nele o capacete de 200 paus pois e esse que salva a vida e nao o de 20 paus….(nem sei porque ha capacetes de 20 paus, nem deveriam existir, enfim)
    os sapatos, e coisa muito polemica, pois sendo iniciante ir logo de encaixe ainda e muito prematuro, o corpo tem de ter memoria muscular e sentido de equilibrio muito apurado na bicicleta e e algo a ser trabalhado por imensos km e imensas horas. comecar pelo simples e sensato a meu ver.
    depois se gostarem, investir nos clips.
    olha, para mim, sempre usei plataforma, ja desde os tempos do BMX, ainda uso atualmente, nao me adaptei aos clips, pois a sensacao de inseguranca e constante, nao tendo a liberdade total de posicionar o pe de varias formas no pedal,(porque esta preso numa posicao fixa) e nao colocar muito rapidamente no chao para manobrar e algo que nao abona o uso dos clips. e a grande desvantagem parece-me.
    e ve-se que os atletas das disciplinas mais avancadas do btt usam a sua maioria a plataforma pela liberdade que lhes e concedida para as diversas manobras.
    se se ficarem pelo cross country, o clip esta muito bom, basicamente so andam a pedalar, pedalar…
    e ja agora, boas pedaladas! 😛

Deixar uma resposta