Eslovénia e França foram hoje o mais e o menos da 13.ª etapa da Volta a França, com Primoz Roglic e Tadej Pocagar a distanciarem-se na frente da geral, e os ciclistas nacionais a ‘despedirem-se’ da amarela final.

Daniel Martínez vence em fuga, Roglic aumenta vantagem para adversários na geral do Tour de France
© A.S.O./Pauline Ballet-

E, ao 13.º dia de prova, aquele em que o colombiano Daniel Martínez (Education First) se estreou a vencer no Tour no alto de Puy Mary, a esperança francesa de ver um representante nacional no degrau mais alto do pódio (senão mesmo em qualquer um dos outros) nos Campos Elísios estilhaçou-se, graças, uma vez mais, a um ataque do impetuoso Tadej Pogacar (UAE Emirates), a que só o seu compatriota da Jumbo-Visma conseguiu responder.

Resultado? Roglic reforçou a amarela, Pogacar subiu a segundo, Egan Bernal (INEOS) caiu para terceiro, depois de ter descolado do grupo de favoritos ainda antes do ataque do jovem da Emirates, a Colômbia assomou em força aos lugares cimeiros da geral, e a França viveu um pesadelo ao ver Guillaume Martin (Cofidis) e Romain Bardet (AG2R La Mondiale), que tinha caído, afundarem-se na geral, saindo do ‘top 10’, quando eram, respetivamente, terceiro e quarto à partida de Châtel-Guyon.

Daniel Martínez vence em fuga, Roglic aumenta vantagem para adversários na geral do Tour de France
© A.S.O./Pauline Ballet

O 13 foi efetivamente o número do azar para os franceses, que nem a vitória na acidentada tirada de 191,5 quilómetros puderam celebrar, embora estivessem em maioria na numerosa fuga do dia, que se desmembrou na fase final de uma jornada com sete contagens de montanha.

Julian Alaphilippe e Rémi Cavagna (Deceuninck-QuickStep), Simon Geschke (CCC), Marc Soler (Movistar), Dan Martin (Israel Start-Up Nation), Pavel Sivakov (INEOS), Lennard Kämna e Maximilian Schachmann (Bora-hansgrohe), Warren Barguil (Arkéa-Samsic), Hugh Carthy, Daniel Martínez e Neilson Powless (Education First), Nicolas Edet (Cofidis), David de la Cruz (UAE Emirates), Pierre Rolland (B&B Hotels-Vital Concept), Romain Sicard (Total Direct Energie) e Valentin Madouas (Groupama-FDJ) lançaram-se para a fuga em fases e agruparam-se na frente da corrida.

Com o inesgotável Tony Martin (Jumbo-Visma) a marcar o ritmo (brando) no pelotão, os 17 conquistaram uma vantagem que chegou a ser superior a 10 minutos, já depois de Bardet, a cerca de 100 quilómetros da meta, perder o controlo da bicicleta numa descida, derrubar entre outros, Nairo Quintana (Arkéa–Samsic), Richie Porte e Bauke Mollema, e ‘causar’ o abandono deste último – o co-líder da Trek-Segrafredo, que era 13.º da geral, desistiu alegadamente com uma fratura no pulso.

Daniel Martínez vence em fuga, Roglic aumenta vantagem para adversários na geral do Tour de France
© A.S.O./Pauline Ballet

Entre os fugitivos, Powless foi o primeiro a tentar a sua sorte a solo, na quinta das sete subidas do dia, em Côte d’Anglards-de-Salers, com Maximilian Schachmann a juntar-se-lhe pouco depois, para logo de seguida se isolar na frente da corrida, numa altura em que a INEOS acelerou a perseguição no grupo do camisola amarela.

O ritmo imposto pela formação britânica, que até lançou Richard Carapaz num ataque efémero, causou dificuldades nos candidatos franceses, com Martin e Bardet a perderem o contacto com o grupo dos favoritos – o dia negro dos homens da casa saldou-se em mais de dois minutos perdidos para Roglic, de quem estão já a três minutos na geral.

Enquanto na frente Martínez e Lennard Kämna alcançavam Schachmann e ultrapassavam o alemão na escalada de primeira categoria até Puy Mary, disputando a etapa entre si – o colombiano da Education First, que trabalhou mais nos metros finais, ainda encontrou forças para bater o alemão, vencendo com o tempo de 05:01.47 horas -, Pogacar atacava num reduzido grupeto de candidatos, onde já não estava o campeão em título, Egan Bernal.

Daniel Martínez vence em fuga, Roglic aumenta vantagem para adversários na geral do Tour de France
© A.S.O./Pauline Ballet

Na roda do ciclista da Emirates seguiu Roglic, sem que mais ninguém conseguisse responder. O duo esloveno cortou a meta a 06.05 minutos do vencedor, com Porte e Mikel Landa (Bahrain-McLaren) a serem os melhores dos outros, ao cederem apenas 13 segundos.

A colaboração entre compatriotas permitiu ao homem da Jumbo-Visma cimentar o estatuto de líder e ciclista mais forte da Volta a França e ao jovem Pogacar ascender à segunda posição, a 44 segundos da amarela, enquanto Bernal, que no final cortou a meta exausto após ter dado tudo para limitar o tempo perdido, desceu a terceiro, a 59 segundos de Roglic.

Atrás do campeão em título na geral estão outros três colombianos: Rigoberto Úran (Education First), Nairo Quintana e Miguel Ángel López (Astana), com este último na sexta posição, a 01.31.

No sábado, os homens da geral terão um dia de relativo descanso, sem dificuldades maiores nos 194 quilómetros entre Clermont-Ferrand e Lyon, para os quais o português Nelson Oliveira (Movistar), que hoje foi 57.º a 21.40 minutos de Martínez, vai partir na 60.ª posição da classificação individual.