A Federação Portuguesa de Ciclismo e as Câmaras Municipais de Palmela, Sesimbra e Setúbal assinaram hoje, em Sesimbra, no Hotel do Mar, um protocolo que permite a realização da Clássica da Arrábida em 2020, 2021 e 2022.

Clássica da Arrábida garantida por mais três ediçõesO protocolo hoje subscrito dá continuidade ao acordo que permitiu já colocar na estrada três edições da corrida internacional de um dia que contribui para a divulgação da Arrábida enquanto território privilegiado para a prática de ciclismo em todas as suas vertentes, competitiva, turística, de lazer e quotidiana, concretizando os princípios fundamentais do programa Cyclin’Portugal.

Além da organização da corrida, em parceria com a Lima & Limão Cycling Services, a Federação Portuguesa de Ciclismo já mapeou e desenvolveu um Guia de Percursos Cicláveis da Arrábida. O Granfondo da Arrábida, organizado por Paradise Marathon Club, também integra o programa de iniciativas.

A cerimónia desta manhã serviu ainda para apresentar a edição de 2020 da Clássica da Arrábida, marcada para 15 de março. A prova mantém-se na categoria 1.2 do calendário da União Ciclista Internacional, sendo também pontuável para a Taça de Portugal Jogos Santa Casa de Elite.

A corrida terá 183,1 quilómetros, com partida de Setúbal (11h40), passagem por Sesimbra com meta de Montanha na Estrada dos Argéis e final em Palmela, na terceira passagem pela meta, cerca das 16h00. O circuito final inclui duas passagens pela Estrada da Cobra, troço de terra, em subida, que dará acesso à zona de meta.

O dia 15 de março será de grande festa velocipédica em Palmela, concelho que recebe o Granfondo da Arrábida, prova para praticantes amadores, que deverá juntar perto de um milhar de participantes.

Clássica da Arrábida garantida por mais três edições“Estamos empenhados na realização de uma prova de prestígio, conjugando os interesses desportivos com a aposta turística dos três municípios do território da Arrábida”, resumiu o presidente da Federação Portuguesa de Ciclismo, Delmino Pereira, na cerimónia desta manhã.

O vereador do desporto da Câmara Municipal de Setúbal, Pedro Pina, concordou com esta perspetiva. “Esta prova é já incontornável no calendário nacional. É um acontecimento que conjuga a dimensão competitiva com a democratização do acesso à prática desportiva e a dinamização do território da Arrábida”, frisou.

“Este projeto é um exemplo para o país, pela capacidade de cooperação de três municípios com a Federação Portuguesa de Ciclismo para valorização de um património como o da Arrábida. Tem um impacto direto muito positivo na economia dos três concelhos. É um privilégio estarmos associados a esta iniciativa”, disse o vereador do Desporto da Câmara Municipal de Palmela, Luís Calha.

Francisco Jesus, presidente da Câmara Municipal de Sesimbra e anfitrião da cerimónia de apresentação, notou que “o ciclismo encaixa como uma luva na estratégia de fruição do património da serra da Arrábida”. Além disso, é um modo de “fomentar o combate à sazonalidade turística e de diversificação da oferta de atividades”. Em paralelo, “permite dar um sinal da importância dos modos suaves de deslocação e da possibilidade de recurso à bicicleta como meio de transporte”.