Em 2019, Nino Schurter e Lars Forster da SCOTT-SRAM MTB-Racing carregaram em direcção à vitória no Absa Cape Epic. Para 2020, a dupla suíça volta para defender o seu título, com o seguro adicional de duas equipas de suporte de classe mundial.

Cape Epic 2020
Photo by Sam Clark / Cape Epic

A luta para garantir o terceiro título de Schurter, na “Corrida Que Mede Tudo”, temos o tricampeão mundial de cross-country e o seu parceiro ex-campeão europeu de XCO apoiados por Andri Frischknecht e Matthias Stirnemann, que competirão como SCOTT-Möbel Märki.

Stirnemann foi o parceiro de Schurter nas edições de 2017 e 2018 do Absa Cape Epic. Como dupla, venceram a última, enquanto a retirada imposta por doença de Stirnemann destruiu os sonhos da SCOTT-SRAM MTB-Racing de defender o título em 2018.

Cape Epic 2020
Photo by Sam Clark / Cape Epic

Quando em 2019 Forster furou, tendo visto em primeira mão o benefício de ter uma equipa de apoio forte, a equipa não deixa nada ao acaso para 2020. “Dá sempre uma boa sensação quando tem outro companheiro por perto; com toda a certeza podemos construir melhores e maiores táticas juntos “, destacou Forster.

Esses sentimentos foram também transmitidos por Andri Frischknecht: “A equipa de apoio é sempre uma grande parte do sucesso. Mentalmente, sabemos que eles estão lá se tivermos um problema e, fisicamente, eles ajudam a chegar ao final mais rapidamente”. Frischknecht e Stirnemann não apenas ajudarão os seus companheiros a terminar mais rápido e fornecerão rodas suplentes ou assistência mecânica em caso de emergência, mas também terão a experiência para compartilhar. Quando chegarem à linha de partida no dia 15 de março, será o quarto Absa Cape Epic de Frischknecht e o terceiro de Stirnemann. Embora ambos tenham um DNF no seu nome, sabem o que não fazer e a importância de partir para o interior africano saudáveis, o que manterá a equipa, como um todo, em boa posição.

Cape Epic 2020
Photo by Nick Muzik / Cape Epic

A amarga memória de 2018 motivou Stirnemann a ajudar Schurter e Forster a defender o seu título em 2020. “Acho que defender um título é sempre mais difícil”, afirmou o vencedor do Absa Cape Epic de 2017. “Todos lidam com a pressão de maneira diferente, mas para mim, a pressão não importa muito. Depois de 2018, onde tive que deixar o Absa Cape Epic como o campeão defensor do título após a primeira etapa, sempre quis voltar e tentar outra vez. “

Embora uma equipa de backup seja um grande benefício, ter duas é sem dúvida vantajoso. Severin Disch e Florian Chenaux, ambos ciclistas de montanha internacionais, irão juntar-se à formação na Universidade da Cidade do Cabo para representar a SCOTT-SRAM MTB-Racing, mas sob a bandeira SCOTT-Davos.

Photo by Greg Beadle / Cape Epic

A super estrela da equipa SCOTT-SRAM e o campeão mais condecorado deste desporto também não sente a pressão adicional, mas por um motivo diferente. “A pressão está lá, não importa onde eu vá para a linha de partida”, explicou Schurter. “Isso não será diferente no Absa Cape Epic de 2020. É um objetivo claro para mim e Lars defender este título. No entanto, muitas coisas podem acontecer durante oito longos dias em África. Precisamos ter a sorte do nosso lado.” Com certeza a rota do próximo ano do Absa Cape Epic parece difícil. Talvez mais difícil do que nos anos anteriores. A chave será ser consistente durante todos os oito dias e não apenas focados numa etapa específica”.

Após a feroz batalha da equipa com a Cannondale Factory Racing em 2019, Schurter quis minimizar qualquer conversa sobre uma repetição dessa rivalidade em 2020. “Cada corrida é diferente e os maiores concorrentes não precisam necessariamente ser os mesmos”, disse. “Vamos ver como a corrida se desenrola e qual a equipa com que temos que nos preocupar”.

Photo by Nick Muzik / Cape Epic

A questão mais importante para muitos fãs do ciclismo de montanha é como o Absa Cape Epic se irá encaixar no calendário dos especialistas em cross-country num ano olímpico. Não tendo participado na corrida no ano olímpico anterior, havia alguma dúvida sobre se Schurter voltava para defender o seu título. “Esperamos que o Absa Cape Epic em março me ajude a ter uma base sólida para a próxima temporada”, disse o medalhista de ouro nas olimpíadas Rio 2016. “Pelo menos deu certo no ano passado. Entre março e fim de julho, ainda há tempo para se especializar nas corridas de XC”.

Photo by Nick Muzik / Cape Epic

Um pouco mais atrás, Thomas Frischknecht, proprietário e gestor da equipa, disputará as honras da categoria Grand Masters ao lado de Urs Gerig. A dupla tem muita experiência e guiará a equipa SCOTT-SRAM MTB-Racing a partir duma posição de gerência e tomada de decisão como Team SCOTT-SRAM Old Dudes.

Photo by Nick Muzik / Cape Epic

O Absa Cape Epic começa a 15 de março de 2020 e os atletas precisarão superar 647 quilómetros e 15550 metros de subida acumulada entre a Universidade da Cidade do Cabo e os relvados do Grand Finale em Val de Vie Estate.

Uma coisa é certa no Absa Cape Epic de 2020: as etapas serão implacáveis, já que os melhores ciclistas de montanha do mundo colocam tudo em risco, pela honra de estar no degrau mais alto do pódio da “Corrida Que Mede Tudo”.

Toda a informação acerca do Cape Epic 2020 pode ser consultada em www.cape-epic.com.

Deixar uma resposta