O executivo municipal de Coimbra vai debater, na segunda-feira, a construção de ciclovias entre Coimbra B, Vale das Flores e Portela, projeto que envolve um investimento de quase dois milhões de euros.

A proposta para abertura do concurso público para a execução da empreitada, denominada ‘Ciclovia de Coimbra – Coimbra B/Vale das Flores/Portela’, que representa um investimento global de cerca de um milhão e 920 mil euros, vai ser analisada e votada na próxima reunião da Câmara Municipal, agendada para segunda-feira, anunciou hoje a autarquia.

O projeto, que faz parte do Plano de Ação e Mobilidade Sustentável (PAMUS) do Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano (PEDU) de Coimbra, disporá de apoios europeus, com um financiamento (já aprovado) de 85% do seu custo total, refere uma nota da Câmara Municipal enviada hoje à agência Lusa.

A ciclovia entre Coimbra B, Vale das Flores e Portela, com início junto da atual estação ferroviária de Coimbra B e do futuro interface Coimbra/Norte, desenvolver-se-á, em canal próprio, ao longo da Avenida Marginal até à Ponte Açude, a partir de onde terá continuidade pelas duas margens do Mondego – a travessia do rio é feita através da nova ponte pedonal e ciclável do Açude, já em funcionamento.

A partir da ponte pedonal Pedro e Inês, no Parque Verde do Mondego, o percurso volta a adotar apenas a margem direita do rio, até á Boavista, zona a partir da qual se desenvolverá com dois trajetos, um pelo Vale das Flores e outro, através do Polo II da Universidade de Coimbra (UC) e da Quinta da Portela, até à rotunda da Portela, onde se ligará ao lanço já existente (que acede ao futuro interface do Sistema de Mobilidade do Mondego da Quinta da Ponte, em Ceira).

O lanço da ciclovia que se desenvolverá pelo Vale das Flores, terá diversos trajetos, servindo as escolas de Hotelaria e Secundária do Vale das Flores, os institutos Pedro Nunes e Superior de Engenharia ou o Conservatório de Música de Coimbra, entre outros estabelecimentos e espaços.

Com a execução deste projeto, que implica a criação de 14.500 metros de ciclovia, a cidade de Coimbra passará a dispor de um total de cerca de 18 quilómetros de ciclovia (possui atualmente 2.930 metros).

Com o investimento, a Câmara de Coimbra pretende “potenciar a utilização da bicicleta nas deslocações casa/trabalho e casa/escola, em detrimento da utilização do transporte individual motorizado, com a consequente redução de emissões de gases de estufa, garantindo ainda os níveis elevados de segurança rodoviária”.

Deixar uma resposta