A Astana Pro Team venceu a primeira etapa do Giro d’Italia Virtual. Os dois ciclistas da equipa, Alexey Lutsenko (44’41 “, melhor tempo individual da etapa) e Davide Martinelli, cruzaram a linha de chegada virtual com um tempo combinado de 1h35’04”, conquistando a primeira Maglia Rosa da corrida.

A equipa do Kazak encontra-se no topo da Classificação Geral com uma vantagem de 6’46” sobre a equipa nacional italiana (representada por Elia Viviani e Samuele Zoccarato), e com 9’40” sobre a equipa Bahrain-McLaren (Fred Wright e Grega Bole) .

Elisa Longo Borghini, foi a mais rápida da etapa, na Corrida Rosa

Na Corrida Rosa, a Classificação Geral é liderada pela Trek-Segafredo (tempo combinado de 2h10’04 “), graças às performances de Elisa Longo Borghini (a mais rápida da etapa com um tempo de 1h01’02) e Lizzie Deignan. A Trek-Segafredo que terminou com 4’18 “à frente da seleção italiana, em segundo lugar (representada por Maria Giulia Confalonieri e Arianna Fidanza). A Movistar Team Women foi a 3ª equipa a 11’03 “.

Renato Di Rocco, presidente da Federação Italiana de Ciclismo, disse: “É uma grande satisfação ver o ciclismo a tornar-se uma fonte de inspiração, cada vez mais. Nestes tempos difíceis em que todos vivemos, o desporto continua a enfrentar os inúmeros desafios que enfrenta, encarando-os. O Giro d’Italia Virtual é outro exemplo disso. Lançado pela La Gazzetta dello Sport e RCS Sport após o sucesso da Milano-Sanremo virtual, engloba o espírito resiliente que realmente distingue a comunidade do ciclismo. Deveríamos estar orgulhosos disso. A participação da seleção italiana, masculina, feminina ou sub 23, é outra fonte de orgulho. Demonstra um sentido de comunidade, presente não apenas na equipa italiana, mas também no desporto em geral. Os ciclistas, a equipa, os fãs, somos todos uma equipa, agora mais do que nunca. Todos devemos aguardar ansiosamente o dia em que o Giro poderá mais uma vez percorrer toda a extensão de uma nação italiana renascida, mostrando o seu melhor.”

Mauro Vegni, diretor do Giro d’Italia, disse: “Enquanto esperamos para descobrir como e quando a nossa corrida regressará às estradas de Itália, pensamos que o Giro d’Italia Virtual proporcionaria uma experiência envolvente para ciclistas e adeptos. Escolhemos estas sete etapas, cada uma com a sua natureza variada, para satisfazer ciclistas com diferentes características. O evento tem vários desafios, seja no final da etapa 10 em Tortoreto, nas subidas de Nove Colli, nas chegadas de Madonna Di Campiglio e Sestriere (com mais de 1000 metros de desnível acumulado positivo nos seus 30 km finais) ou nos 15,7 km do contrarrelógio individual de Milão, que irá ser percorrido na sua totalidade. Terá o verdadeiro sabor da Corsa Rosa.”

O campeão europeu de estrada, Elia Viviani, a participar da na equipa da seleção italiana, disse: “Toda a iniciativa é ótima. Num momento como este, é bom ver o ciclismo encontrar novas maneiras de retribuir algo aos fãs e, ao mesmo tempo, arrecadar fundos para a Cruz Vermelha Italiana. Como atleta, estou muito feliz em participar. É um desafio genuíno para o ciclista, pois estamos a pedalar numa simulação precisa onde as subidas parecem mesmo reais. É uma experiência que eu recomendo. “