Apenas 32% dos portugueses praticam exercício físico

30

A crise económica que Portugal viveu recentemente obrigou os portugueses a redefinir prioridades e a gerir melhor a forma como gastam o seu dinheiro, levando à concentração dos gastos em bens de primeira necessidade.

Simultaneamente, as famílias portuguesas abdicaram de algumas atividades consideradas supérfluas, como por exemplo os ginásios, em virtude de uma redução de gastos.

Mas nos últimos anos, também com a melhoria das condições de vida da população, cresceu a atenção em relação à prática de exercício físico e a uma alimentação mais saudável. Ainda assim, e de acordo com os dados veiculados pelo Observador Cetelem, os números continuam a ser insuficientes.

Ainda que se verifique um aumento na preocupação com a saúde, a verdade é que apenas 32% dos inquiridos pelo Observador Cetelem afirmam praticar exercício físico, sendo esta prática mais comum juntos dos habitantes que vivem em meios urbanos.

Deste terço da população portuguesa, destacam-se os homens, sobretudo os que têm entre 18 e 34 anos (63%). Pelo contrário, no grupo que se afasta dessa atividade, está a geração entre os 45 e os 65 anos (49%) e as mulheres (56%).

Em termos socioeconómicos, é importante destacar que 95% dos praticantes de atividade física provêm de classes com rendimentos elevados e 84% dos que não praticam qualquer atividade física são oriundos de classes com rendimentos médios e baixos.

Refira-se que o Global Physical Activity Observatory calcula que 13,6% do total de mortes prematuras em Portugal são atribuídas à inatividade física, contra a média global de 9%. E, segundo informação prestada pela Direção Geral de Saúde, a falta de inatividade física acarreta para Portugal custos estimados de, pelo menos, 900 milhões de euros.

Motivações e obstáculos à prática de desporto

Entre as motivações para a prática de exercício físico destaca-se a manutenção da forma física (64%) que leva a que 62% dos inquiridos faça três a quatro treinos por semana. Contudo, este não é o único motivo que leva os portugueses a exercitar o corpo.

As respostas dos inquiridos sugerem que razões de saúde (15%) e perda de peso (10%) são também importantes objetivos pessoais, assim como motivações de natureza estética ou social: diversão, integração num grupo ou o reforço de relações sociais.

Mas a grande maioria da população (68%) ainda não se dedica à prática de atividade física, sendo a principal razão para este facto a falta de tempo (40%), a falta de gosto (23%) ou de vontade (17%).

As limitações financeiras são também apontadas, assim como motivos de saúde, falta de companhia ou o facto de não ver resultados práticos no esforço investido.

O Observador Desporto e Saúde 2018 tem por base uma amostra representativa de 600 indivíduos residentes em Portugal Continental, de ambos os géneros e com idades compreendidas entre os 18 e os 65 anos. Estes foram entrevistados telefonicamente, com informação recolhida por intermédio de um questionário estruturado de perguntas fechadas.

O trabalho de campo foi realizado pela empresa de estudos de mercado Nielsen e um erro máximo de +4,0 para um intervalo de confiança de 95%.

DEIXE UMA RESPOSTA

Escreva o seu comentário
Escreva o seu nome