André Carvalho, 30.º classificado, foi o melhor corredor da Equipa Portugal na prova de fundo para sub-23 do Campeonato Mundial de Estrada, disputada na região inglesa de Yorkshire.

O corredor famalicense foi o mais resistente do quarteto nacional, numa dura corrida de 171,6 quilómetros, disputada entre Doncaster e Harrogate, à impressionante média de 44,025 km/h.

Além da exigência do percurso, os corredores enfrentaram chuva, frio e vento forte, nada que impedisse um espectáculo fantástico, concluído de forma inesperada: o holandês Nils Eekhoff, vencedor do sprint final, foi desclassificado por abrigo prolongado no carro de apoio numa fase intermédia da prova, fazendo com que o título fosse entregue ao italiano Samuele Battistella.

Picture by Pauline Ballet/SWpix.com – 27/09/2019 – Cycling – 2019 UCI Road World Championships – Men’s Under 23 Road Race – Yorkshire, England.

Um grupo de 12 corredores pedalou na frente da corrida, indiferente às quedas e avarias que iam seccionando o pelotão, desde o quilómetro 50 até à subida de Greenhow, ao quilómetro 118,4. Foi nesta dificuldade que se fez a seleção principal. Dos quatro elementos da Seleção Nacional, apenas Emanuel Duarte, que viria a abandonar, não estava no grupo principal na subida. Apesar disso, só Miguel Salgueiro se apresentou verdadeiramente bem colocado, abordando as primeiras rampas na cabeça do pelotão.

Picture by Pauline Ballet/SWpix.com

A dureza da subida e a forma como foi atacada ditaram o fim da fuga, mas também deixaram a nu a fragilidade de boa parte do pelotão, que chegou ao topo muito reduzido. Miguel Salgueiro, rolador, resistiu como pôde, mas perdeu alguns metros para a cauda do grupo, que não viria a recuperar até final.

João Almeida e André Carvalho pagaram caro a má colocação já no planalto que sucedeu à subida. Foi aí que o que sobrava do pelotão se partiu em dois grupos principais, deixando alguns corredores ainda mais para trás. Foi o caso de João Almeida, que não se encontrou ao longo da prova.

André Carvalho deu luta, mas ficou-se pelo segundo grupo. “A corrida foi muito exigente desde o início, a alta velocidade e sempre com toda a gente a lutar para estar bem colocado e para evitar as quedas. Eu sabia que devia colocar-me melhor na fase decisiva e tentei fazê-lo, mas tive um toque com um corredor dos Estados Unidos. Não caí, mas perdi alguns metros para a frente e fiquei com o guiador virado para baixo, tendo de fazer mais de 50 quilómetros numa posição incómoda”, lamenta André Carvalho.

O grupo do português esteve quase a alcançar a dianteira da corrida, mas a entrada no circuito urbano de Harrogate e os ataques entre os homens da frente lançaram definitivamente a luta pelas medalhas entre os ciclistas do primeiro grupo. Nils EEkhoff, Samuele Basttistella, Stefan Bissegger e Thomas Pidcock comandaram a prova, mas, no quilómetro final, permitiram a chegada de Sergio Higuita, Andreas Lorentz Kron e Tobias Foss.

Picture by Pauline Ballet/SWpix.com

No sprint a sete impôs-se Nils EEkhoff, cuja desclassificação entregou o ouro ao italiano Battistella, a prata ao suíço Bissegger e o bronze ao britânico Pidcock. André Carvalho foi o 30.º, gastando mais 3m02s do que o vencedor. Seguiram-se Miguel Salgueiro, 57.º, e João Almeida, 76.º, ambos a 12m42s.

O Mundial de Estrada prossegue no sábado com a prova de fundo para elite feminina. Portugal estará representado por Maria Martins nesta corrida de 149,4 quilómetros, entre Bradford e Harrogate, com início às 11h40.

Deixar uma resposta