Depois de vários meses de paragem, o ciclismo está de volta em força ao Eurosport de 29 de agosto a 20 de setembro com a 107.ª edição da Volta a França.

Acompanhe toda a ação da Volta a França, do quilómetro zero até à meta, em direto no EurosportÀ semelhança de anos anteriores, o Eurosport garante uma cobertura sem rival do Tour com mais de 100 horas em direto, e a transmissão da totalidade de cada etapa do quilómetro zero até à meta, para proporcionar aos fãs da modalidade uma experiência única. Para além disso, conta ainda com a análise de especialistas de renome mundial como Alberto Contador, Bradley Wiggins, Juan Antonio Flecha ou Sean Kelly.

Este ano, o Tour será a primeira das ‘Três Grandes Voltas’ a ir para a estrada, à frente de Giro e Vuelta. Por ser a corrida mais importante da temporada, e o calendário de competição ser mais curto, a expectativa é grande entre os fãs para ver em que condição chegam os ciclistas às exigentes estradas de França.

Durante a Volta a França 2020, o pelotão terá de percorrer um total de 3470 quilómetros, divididos em 21 etapas, com apenas dois dias de descanso, numa corrida praticamente discutida no Sul do país e com muita montanha.

O arranque, ou ‘Grand Départ’ acontece em Nice e estão previstas passagens pelas cinco cadeias montanhosas do território: Alpes, Maciço Central, Pirenéus, Jura e Vosges, terminando três semanas mais tarde, como é tradição, nos Campos Elísios, em Paris.

Pelo meio, os ciclistas terão de superar:

  • 9 etapas em linha
  • 3 etapas de média montanha
  • 8 etapas de alta montanha com chegada em alto (Orcières-Merlette, Puy Mary, Grand Colombier, Méribel Col de la Loze)
  • 1 contrarrelógio individual (20.ª etapa – 36 quilómetros entre Lure e La Planche des Belles Filles)

Quem será coroado em Paris e terá a honra de vestir a camisola amarela no pódio nos Campos Elísios? A resposta é dada diariamente a cada transmissão do Eurosport! Acompanhe toda ação da prova rainha mundial do ciclismo com o trio de comentadores do canal Luís Piçarra, Paulo Martins e Olivier Bonamici.

DATAS IMPORTANTES:

  • Especial de Apresentação das Equipas – 27 de agosto às 17:30h no Eurosport 1
  • La Course by Le Tour/ Volta a França feminina – 28 de agosto às 9:00h no Eurosport 1

TOUR E EUROSPORT – UMA LIGAÇÃO DE QUASE TRÊS DÉCADAS

A ligação do Eurosport à Volta à França começou em 1991 e desde então o canal tem vindo a oferecer cada vez mais conteúdos aos seus espetadores. Em 2017, o Eurosport transmitiu pela primeira vez a totalidade das etapas do primeiro ao último quilómetro na televisão e on-line via Eurosport Player.

A cobertura da Volta a França no Eurosport Player permite aos espetadores desfrutar de uma transmissão integral do Tour sem interrupções ou publicidade. Todas as etapas ficam disponíveis para ver após a sua transmissão durante vários dias graças ao serviço de ‘catch-up’. Deste modo, o Eurosport dá o controlo total da experiência de visualização ao seu utilizador. Para além disso pode assistir a cada momento da corrida, onde e quando quiser, em qualquer um dos seus dispositivos móveis.

ESPECIALISTAS DE RENOME

O Eurosport continua a trabalhar com os melhores especialistas da modalidade e a contar com as suas perspetivas únicas. Juan Antonio Flecha, vencedor de uma etapa do Tour e experiente ciclista vencedor de clássicas como a Omloop Het Nieuwsbland ou Zuri-Metzgete, tem conduzido a cobertura internacional do canal durante os últimos anos, protagonizando alguns programas como Juan & Only e Recon, onde o ex-ciclista pegava na bicicleta para fazer o reconhecimento das dificuldades das etapas chave.

Sir Bradley Wiggins, vencedor do Tour de 2012, é outro dos nomes de peso entre os especialistas internacionais do Eurosport. Para além de comentar ao longo das etapas, tem sido protagonista nos últimos anos de um ‘podcast’ de êxito sobre o ciclismo intitulado ‘The Bradley Wiggins Show by Eurosport’.

Alberto Contador, um de apenas sete homens a ter conseguido vencer as Três Grandes Voltas, incluindo a camisola amarela em 2007 e 2009. ‘El Pistolero’ iniciou-se com o Eurosport Espanha, mas rapidamente passou a figurar frequentemente na emissão internacional partilhando os seus conhecimentos únicos da modalidade.

Sean Kelly, Rei da Montanha em sete ocasiões, e Jacky Durand, vencedor de três etapas, dão a cara pelo canal no Eurosport França.

Em Portugal, Luís Piçarra, Paulo Martins e Olivier Bonamici compõem o trio fantástico de comentadores do Eurosport.

UM TOUR DIFERENTE DO HABITUAL

Este ano, a pandemia de COVID-19 obrigou a algumas mudanças importantes na organização da Volta a França. A organização do Tour solicitou aos espetadores da prova que usem a máscara sempre que forem assistir à corrida.

Para além disso, durante o Tour, um laboratório acompanhará a caravana e promete resultados conhecidos no máximo de duas horas, com dois testes a cada corredor antes do arranque de cada etapa e em cada dia de descanso.

Serão igualmente criadas ‘bolhas’ de grupos para cada equipa, a fim de evitar ao máximo o contacto com o exterior e o protocolo em torno dos pódios foi reduzido ao máximo. Exemplo disso é o fim das ‘meninas do pódio’.

Para além disso, o Tour 2020 reduziu drasticamente o número de pessoas envolvidas diariamente na prova. Entre corredores, equipas técnicas, parceiros, organizadores, patrocinadores e outros trabalhadores haverá apenas 3000 pessoas, ao contrário das habituais 5000.

Os ciclistas serão mais protegidos e não vão estar autorizados a interagir com os adeptos, sendo obrigatório o uso de máscara nos locais comuns.

Mas, a regra mais polémica que a organização do Tour impôs é a que determina a exclusão da equipa da prova caso duas ou mais pessoas da mesma formação apresentem fortes sintomas suspeitos ou tenham testado positivo à COVID-19. A medida aplica-se não apenas a ciclistas, mas também ao ‘staff’ das equipas. Algo que pode ter um efeito imprevisível no desfecho da corrida.

Até ao momento, desde o início da pandemia, já foram registados em França praticamente 230 mil casos de COVID-19, havendo a lamentar a morte de mais de 30 mil pessoas.

BERNAL DEFENDE O TÍTULO

O colombiano Egan Bernal, vencedor da Volta a França 2019, apresenta-se este ano com vontade de renovar o título. Vai liderar uma INEOS desfalcada de algumas das suas principais estrelas como Cris Froome, quatro vezes vencedor do Tour, e Geraint Thomas, vencedor do Tour 2018. Froome, que no final da temporada vai mudar-se para a Israel Start-Up Nation, correrá a Volta a Espanha, entre 20 de outubro e 8 de novembro, enquanto Thomas terá como objetivo a Volta a Itália, que decorrerá entre 3 e 25 de outubro.

O esloveno Primoz Roglig é apontado como um dos grandes favoritos à vitória no Tour e promete dar luta a Bernal. No entanto, Van Aert, Tom Dumoulin, Roman Bardet, Elia Viviani, Peter Sagan, Richard Carapaz, Esteban Chaves, Adam Yates, Greg Van Avermaet, Nairo Quintana, Julian Alaphilippe, Pello Bilbao, Mikel Landa ou Soren Anderson são outras das estrelas que têm confirmada a sua participação nesta edição e podem fazer algo de importante.

Nélson Oliveira é o único português na lista de inscritos para a corrida.

OLIVIER BONAMICI – COMENTADOR DE CICLISMO DO EUROSPORT – “Vai ser uma barrigada de ciclismo”

“Neste Tour talvez possamos assistir em direto ao fim da hegemonia da INEOS. Ou não. Poderá haver uma passagem de testemunho entre INEOS e Jumbo-Visma. Apesar da qualidade das equipas, será muito difícil bater alguém como Bernal ou Roglic. Mas, no contexto especial da COVID-19, será muito complicado adivinhar o que pode acontecer durante as três semanas do Tour.”

“A exclusão de prova das equipas com dois ou mais membros infetados com COVID-19, parece-me uma medida muito arriscada. E se houver contágio no pelotão? E se houver sete equipas infetadas? Continuará a haver corrida? Acho que é algo que pode ter um impacto enorme na corrida. Ao contrário do futebol, em que um jogo entre duas equipas pode ser adiado, o Tour não. Terá de continuar ou ser cancelado.”

“Já tinha saudades de comentar ciclismo. Gostei de comentar os confinados do Eurosport e o Tour de France Virtual, mas a minha paixão é mesmo o ciclismo em direto. Agora vou poder finalmente regressar ao Eurosport e até ao final de novembro vai ser uma barrigada de ciclismo.”